De acordo com a colunista Vera Magalhães da coluna 'Radar' em nota publicada neste domingo, 19, no site da Revista Veja, investigadores da Polícia Federal estão a desconfiar de um suposto plano secreto do Procurador Geral da República, Rodrigo Janot. Esse plano envolveria todos os brasileiros e um momento importante para a democracia. A Polícia Federal, segundo a colunista, estaria acreditando que Rodrigo Janot pode ser um dos candidatos à presidência em 2018. Oficialmente, o Procurador nunca sequer falou nessa possibilidade.

A desconfiança contra o jurista aumentou recentemente, quando esse começou a aparecer praticamente todos os dias como manchete na imprensa.

Publicidade
Publicidade

Declarações e ações duras impressionaram a todos. Uma das últimas delas envolveu o pedido de prisão de medalhões do PMDB, entre eles o presidente do Senado, Renan Calheiros, e o ex-presidente da república, José Sarney. O pedido foi feito em sistema de sigilo ao Supremo Tribunal Federal (STF). No entanto, a mais alta corte do país disse que não poderia mandar prender nomes tão importantes com provas tão escassas.

O Procurador, além de não ver os peemedebistas presos, acabou entrando no olho do furacão da desconfiança. Ele começou a ser chamado pelos corredores de Brasília de "petista de carteirinha". A crítica até faz sentido, já que nomes graúdos do Partido dos Trabalhadores (PT), mesmo com suspeitas fortes, tiveram ações contra eles vistas de maneira menor pelos contrários ao partido. No caso de Lula, por exemplo, Rodrigo Janot apenas solicitou que fosse aberto um inquérito que apurasse se o ex-líder sindical estaria atrapalhando ou não a principal investigação do país, a Lava Jato. 

A 'Folha de São Paulo' chegou a noticiar que Renan Calheiros estaria inclinado a aceitar um dos nove pedidos de impeachment contra Rodrigo Janot.

Publicidade

No entanto, aliados dele garantem que ele se dirá incapaz de julgar as ações, já que foi vítima direta de uma ação dura do Procurador. Por enquanto, o pedido ainda não foi  analisado pelo peemedebista.  #Governo #Crime