Em um perfil no Facebook, o jovem Marcelino Mateus Silva Proença, de 27 anos, conta que foi solto graças à uma vaquinha feita por populares. O valor da fiança foi de mil reais. Ele foi preso no fim de semana por jogar um balde de água na Tocha Olímpica, quando essa passava por sua cidade, em Maracaju, Mato Grosso do Sul. Apesar da prisão, o jovem Marcelino não conseguiu realizar o seu principal objetivo, que era apagar o fogo do símbolo olímpico do Rio de Janeiro. Nas redes sociais, ele revela que apoia o deputado federal Jair Bolsonaro, do PSC do Rio de Janeiro. 

No Facebook, ele chega a questionar se tem algum partido precisando de vereador.

Publicidade
Publicidade

Até um vídeo mostrando o momento da prisão foi publicado pelo rapaz, que faz questão de agradecer a todos que o apoiaram. O resultado foi que ele ganhou muitos fãs, não só na sua cidade, mas também em todo o Brasil. 

"Olha, não sou a favor de badernas mais essa sua mereceu meu apreço", revelou uma seguidora.  

"Nosso Brasil está virado mesmo, povo investindo em tocha, Copa do Mundo, em Salário de jogadores, mas a saúde e a educação estão no zero", escreveu outro. 

A prisão do homem que agora é chamado de mito na internet ocorreu no domingo, 26. Apesar de pagar a fiança, ele pode pegar pena de seis meses a 3 anos de prisão. A acusação é sobre dano contra o patrimônio qualificado. Nossa reportagem tentou uma entrevista com o rapaz, mas até agora ele ainda não respondeu à nossa iniciativa.

O vídeo que mostra ele entrando em um camburão já tem mais de 15 mil exibições só no Facebook.

Publicidade

De acordo com o jornal Extra do Rio de Janeiro, Marcelino estava no Mato Grosso do Sul a passeio. Ele seria natural da cidade de Tatuí, em São Paulo.

Esse não foi o único incidente com a passagem da Tocha pelos estados brasileiros. No Amazonas, uma onça fugiu após aparecer ao lado do símbolo olímpico. Ela acabou sendo morta por um militar, que alegou que a fera estaria descontrolada e oferecia risco. O caso revoltou todo o país, mesmo com veterinários alegando que tentaram usar tranquilizantes antes do tiro de pistola.  #Crime #Rio2016