Fernando Caetano dos Santos, de 57 anos, acabou indo parar na cadeia na manhã de sexta-feira, 17. A Polícia o acusada de praticar o #Crime de pedofilia. A prisão ocorreu no bairro do Bom Retiro, região central de São Paulo. O homem se passava por instrutor de informática para atrair as crianças. As aulas aconteciam na própria casa do suposto instrutor, que de acordo com uma reportagem do 'Cidade Alerta', da TV Record, não teria qualquer formação. No local, ele abusava dos alunos. Pelo menos quatro pessoas foram abusadas. Algumas delas há mais de 10 anos. Uma das mais recentes foi neste ano, uma garota de apenas 12 anos. No Brasil, sexo consentido ou não com menores de 14 anos é considerado crime de pedofilia. 

Para conseguir conquistar as alunas, além das boas notas e elogios, ele dava lanches e fazia promessas.

Publicidade
Publicidade

Três das quatro vítimas eram mulheres. O quarto é um rapaz de 19 anos. Fernando Caetano dos Santos diz que não cometeu qualquer crime. À reportagem, ele ainda questiona o fato das vítimas só terem aparecido agora. A Repórter então olha para ele e pergunta: "mas eu também queria saber isso do senhor, como você me explica isso?". O homem, no entanto, somente diz que não tem como dizer isso, mas que não é culpado dos crimes de abusos. 

O 'Cidade Alerta' então confrontou as respostas do suposto criminoso com a Polícia, que diz não ter qualquer dúvida que ele cometeu as infrações. Uma das vítimas diz que nunca procurou a Polícia antes com medo de uma coação, já que o homem faria ameaças à elas, evitando assim que o crime não fosse conhecido. A falta de estrutura familiar também impediu que as denúncias ocorressem. 

O homem diz que os atos sexuais nunca aconteceram, que seus alunos ficavam mexendo no computador, não sendo então possível que ele fizesse atitudes libidinosas.

Publicidade

O professor, segundo as vítimas, no entanto, levava elas para o seu quarto, onde dava de comer e realizava o sexo. O homem ficará preso até que a justiça julgue o caso que está mexendo com a opinião pública de São Paulo.  #Investigação Criminal