Um professor da principal universidade brasileira, USP, conseguiu se impôr e dar sua aula nesta semana. Depois de estudantes da universidade anunciarem uma greve, o docente decidiu continuar a dar suas aulas. O professor foi identificado como Silvio Salinas. Ele ministra o curso de física na instituição federal. Silvio ficou uma fera ao ver um estudante tentando impedir ele de trabalhar.

O aluno chega a tentar à força fazer com que Silvio não ministre seu curso e ouve: "você sabe quem sou eu? Você não tem direito de atrapalhar meu trabalho. Eu recebo e tenho o direito de trabalhar. Não sou obrigado a concordar com uma greve feita pela minoria.

Publicidade
Publicidade

Vou chamar a força nacional para te tirar daqui". O estudante então tem uma briga para manter a porta aberta da sala. 

O manifestante, que diz ser um aluno já formado da universidade, continua a discutir com o professor. Ele chega a entrar na sala de aula e é retirado empurrado pelo docente. O docente de física diz que não vai aceitar o piquete de greve. A atitude do manifestante tem gerado polêmica na internet. Em uma página na internet, ele chega a ser chamado de fascista. Há também aqueles que acreditam que era um direito do suposto universitário tentar impedir que o professor trabalhasse.

"Quando vocês fazem greve a gente não é obrigado a aderir? A gente fica sem aula", argumenta o manifestante. O professor então diz que ninguém é obrigado a nada e que eles não vem à aula porque não querem.

Publicidade

Silvio continua a questionar se o aluno sabia quem era ele. Ele diz que não, o que faz o docente ficar revoltado. "Estou aqui há 50 anos e você que está aqui de passagem acha que tem mais direito que eu?", diz bravo o homem do ensino brasileiro. 

"Não dá pra ter fé numa nação em que acontece isso! Milhares de estudantes se esforçando para tentar entrar na universidade e filhos de papai que entraram, jogam essa oportunidade pra cima", diz um internauta ao comentar o vídeo da ação que já tem quase 400 mil exibições só no Facebook

Veja abaixo a discussão da dupla:

#Educação #Manifestação