"Mesquinho" - foi esse o adjetivo utilizado pela presidente afastada Dilma Rousseff contra o seu substituto, o interino Michel Temer, do PMDB - escreveu Dilma no Facebook falando sobre notícias que davam conta do não aumento do principal programa social de seu governo, o 'Bolsa Família'. Antes de ser afastada, a petista anunciou em um ato público que aumentaria o programa em quase 10%. Ela, no entanto, não chegou a assinar o reajuste. Em 2015, o mesmo programa social, considerado o principal ainda da era Luiz Inácio Lula da Silva, também não passou por reajustes.

Nesta quarta-feira, 29, no entanto, Michel Temer surpreendeu o Partido dos Trabalhadores (#PT).

Publicidade
Publicidade

Ele não só pagará o aumento proposto por Dilma, como também dará um recurso extra, fazendo uma alteração de 12,5% no programa, acima do número da inflação desse ano. De acordo com o colunista Cláudio Humberto, do 'Diário do Poder', em reportagem publicada nesta quinta-feira, 30. O partido teria ficado desesperado e a medida, de acordo com o repórter, desestabilizou a legenda. 

Isso porque até aqui, a principal campanha de Dilma para voltar ao poder era o suposto fato de que Temer acabaria com os programas sociais e governaria para os ricos. A partir do momento que ele dá aumentos maiores do que os dela para os pobres, fica difícil convencer qualquer pessoa com o discurso do "golpista". O partido sabe que isso é problemático e que pode perder espaço nessas Eleições, em especial no Nordeste, onde muitas pessoas recebem o Bolsa Família. 

Segundo o jornalista do 'Diário do Poder', Políticos da legenda de Dilma acham que o público atendido pelo Bolsa Família está mais interessado no dinheiro do programa do que no impeachment em si ou do que em operações visando a corrupção, como a Lava Jato.

Publicidade

Temer também se mostra esperto, tentando tirar, ao máximo, o programa que ficou com as digitais do PT, mas que na verdade foi idealizado (com outro nome) pelo PSDB. 

Aos poucos, o 'Bolsa Família' vai deixando de ser barganha política, o que prejudica o destino de Dilma, que pode ser fatal e sem volta.  #Dilma Rousseff