Recentemente, o Brasil ficou chocado por conta de um caso de estupro envolvendo uma adolescente de 16 anos no Rio de Janeiro. A garota disse à Polícia Civil que foi violada por 33 homens no Morro do Barão, em Jacarepaguá, Zona Oeste do Rio de Janeiro. O caso fez com que aumentasse o número de denúncias contra estupros. No entanto, também fez muita gente querer fazer justiça com as próprias mãos. A internet deu um bom tom disso. Mas a justiça feita pelas próprias mãos costuma ser injusta. Em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, um homem de 35 anos acabou sendo confundido justamente com um estuprador.

O criminoso estava sendo amplamente procurado pela Polícia e fotos dele foram divulgadas pelas ruas e na imprensa.

Publicidade
Publicidade

O homem foi agredido brutalmente por oito pessoas, que não foram identificados. O estado do rapaz é grave. Existe risco de morte para a vítima. O rapaz está internado no hospital Cristo Redentor. O último boletim médico, divulgado na sexta-feira, 03, dizia que o estado dele era grave. 

De acordo com Tatiana Barreiras Bastos, delegada que investiga o estupro no Rio Grande do Sul, o homem linchado não teria cometido qualquer #Crime. A mulher que é titular da delegacia da mulher fez questão de lembrar que o agredido sequer teria semelhanças com o estuprador, dez anos mais novo e que seria careta. Vítimas já confirmaram que o rapaz não seria o estuprador. 

A única coisa parecida entre os dois casos é o fato dos crimes terem acontecido no mesmo local, próximo à uma universidade. O estuprador não foi encontrado.

Publicidade

Não é a primeira vez que situações do tipo acontecem. Por isso, caso haja dúvida se alguém pode ser ou não um bandido ou suspeito de crime, o mais recomendável é sempre entrar em contato com as autoridades oficiais. 

Enquanto isso, o estupro mais falado do ano, o da jovem do Rio de Janeiro, a cada dia parece ter mais novidades. De acordo com a Polícia, a menina de 16 anos teria sido violada ao mesmo tempo por pelo menos 16 homens. O crime teria ocorrido durante dois dias.  #Investigação Criminal