Nesta sexta-feira, 24, o filho do deputado federal, Jair Bolsonaro (PSC - RJ), que também é parlamentar, Eduardo Bolsonaro, fez uma revelação importante capaz de mudar a história do Brasil. Em conversa com o programa 'Pânico', da Rádio Jovem Pan, ele confirmou que o pai deve vir candidato à presidência, mas com uma ressalva. De acordo com ele, isso só ocorrerá caso o Supremo Tribunal Federal (STF) não o torne inelegível.

Recentemente, a mais alta corte do país se envolveu em uma grande polêmica, decidindo abrir contra Bolsonaro um inquérito envolvendo a deputada Maria do Rosário (PT - RS). Em 2014, durante uma sessão da Câmara, Jair disse para a petista que jamais a estupraria porque ela não merece.

Publicidade
Publicidade

De acordo com ele, a fala só foi expressada depois que Rosário o chamou de "estuprador". 

Foi justamente por conta desse episódio que o nome de Bolsonaro ganhou projeção nacional. Na época, ele foi denunciado pela PRG, a Procuradoria Geral da República, por fazer incitação ao crime de estupro. O deputado se defende desde então. O político virou réu graças à ação do Supremo Tribunal Federal e a pena contra ele, caso seja condenado, varia entre três e seis meses de reclusão, mais a aplicação de uma multa.

O filho de Jair diz que tudo ocorreu após uma grande confusão e diz que o pai não incentivou o estupro, pelo contrário, apenas disse que ela não merecia isso, assim como nenhuma mulher merece. Ele ainda cita a campanha do 'Eu Não Mereço Ser Estuprada', que da mesma forma poderia ser interpretada como se outras mulheres pudessem.

Publicidade

"Se o Supremo Tribunal Federal não considerar meu pai inelegível, ele será candidato à presidência em 2018", afirmou Eduardo na entrevista ao 'Pânico'. 

Na internet, muitos grupos de direita tentam defender Bolsonaro. Ele já até iniciou uma espécie de campanha para se defender. Em sua página no Facebook, são postados diariamente vídeos e mensagens em seu apoio. A maioria das pessoas diz que ele jamais apoio o estupro, pelo contrário. O político aparece com em média 5% das intenções de votos nas principais pesquisas.  #Governo