O senador Magno Malta, eleito pelo PSC do Espírito Santo, manifestou nesta quinta-feira, 16, qual seria o voto de um colega em relação ao impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores. De acordo com ele, o Senador Romário Farias, do PSB do Rio de Janeiro, teria manifestado voto favorável à deposição da companheira política do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A situação causa surpresa, já que recentemente Romário pediu renuncia da comissão do impeachment e disse a jornalistas que seu voto não era certo. 

No dia 12 de maio, Romário chegou a fazer um discurso pelo o que o motivaria a votar contra Dilma.

Publicidade
Publicidade

Ele foi um dos 55 Senadores que escolheu pelo impeachment. No entanto, após a renúncia da comissão, o voto de Romário passou a ser contabilizado como da turma do contra. Oficialmente, o ex-jogador de futebol não chegou a dizer claramente se mudaria sua escolha, mas deu indicações que isso poderia vir a acontecer. 

Magno Malta disse na Comissão do impeachment que Romário contou a ele nesta quarta-feira, 15, qual seria sua posição em relação à deposição da petista. O eterno "baixinho" dos campos teria solicitado, inclusive, que a sua manifestação de opinião ficasse expressa na sessão que ouve testemunhas de acusação e defesa de Dilma alta disse que o senador teria afirmado a ele: “Você já me viu fazer gol contra?”. O Senador é um dos prováveis candidatos à prefeitura do Rio de Janeiro. 

Sua mudança de voto no impedimento de Dilma estaria ligada diretamente à essa candidatura.

Publicidade

Isso porque o apoio do Partido dos Trabalhadores seria importante para Romário, especialmente no tempo de televisão. Atualmente, o PT pré-apoia Jandira Feghalli, do PCdoB. 

Em seu primeiro mandato, Romário foi um dos Senadores mais votados do país nas últimas eleições, tanto no número de voto, como também em termos percentuais. Ele é tido com um nome com credibilidade e tem impressionado a muitos pelo jeito que tenta conduzir a política brasileira, evitando as polêmicas.  #Governo #Crise-de-governo