O processo de #Impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff está marcado por um marketing forte do Partido dos Trabalhadores (PT), que ao não aceitar a derrota na Câmara dos deputados e no Senado diz que o processo de deposição de Dilma é um golpe. Para o Ministro das Relações Exteriores, José Serra, do PSDB, não tem nenhum golpe no Brasil. De acordo com informações da BBC, o tucano disse que a política atual é muito mais complicada do que foi registrado no período que teve o início do regime militar, em 1964.

Não há golpe, argumenta tucano Ministro de Temer

De acordo com José Sera, não houve nenhuma intervenção militar no país agora justamente porque com o decorrer dos anos o Exército foi perdendo a força.

Publicidade
Publicidade

Entre 1964 e 1984 o Brasil enfrentou o que alguns historiadores chamam de "ditadura". O termo não é bem aceito por militares, que na década de 1980 decidiram colaborar para a volta do processo democrático no país. 

Frase fala sobre o poder do Exército

 

“Se o Exército brasileiro ainda tivesse a força que tinha naquele momento, não tenha dúvida de que já teria tido uma militarização no país”, explicou José Serra. Durante todo o processo de impeachment de Dilma, diversos militares tentaram evitar polêmicas e disseram que não havia qualquer necessidade da participação das Forças Armadas para ajudar a investigação que agora começa a ser feita contra Rousseff. 

Apesar da falta de vontade de uma militarização do processo constitucional, representantes militares fizeram diversas críticas ao Partido dos Trabalhadores (PT).

Publicidade

Isso porque na convenção do partido deste ano, um documento traz uma espécie de "meia-culpa" do governo petista, que avaliou ter sido um erro não ter implementado a nomeação dos líderes das Forças Armadas pelo presidente da república. 

Atualmente, os cargos de chefia nas Forças Armadas seguem a legislação militar, que se diverge um pouco com a Constituição brasileira. Um soldado, por exemplo, pode cometer um ato considerado crime militar, mas esse ato não ser criminoso na justiça comum. Alguns crimes, no entanto, acabam se somando nas duas constituições.  #Michel Temer