A Senadora Simone Tebet, eleita pelo PMDB do Mato Grosso do Sul, deu mais uma aula de direito na Comissão do Impeachment do Senado que teve reunião nesta segunda-feira, 21. A sessão ouvia uma das testemunhas de defesa da presidente afastada Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT), o ex-subchefe de Assuntos Jurídicos da Casa Civil, Ivo da Motta Azevedo Correa. Simone citou um fato curioso, o fato da testemunha sequer estar trabalhando para o #Governo no momento em que os crimes de responsabilidade começaram a ocorrer. O momento foi de grande contundência e teve bastante repercussão em toda a internet brasileira. 

Ela citou o fato do colega ser um profissional muito qualificado, mas que tinha sido exonerado antes de Dilma começar a assinar decretos que são considerados "pedaladas fiscais".

Publicidade
Publicidade

Mostrando-se sempre elegante, Simone Tebet refutou a presença da testemunha na Comissão, apenas deixando evidente que o objetivo do Partido dos Trabalhadores (#PT) era chamar muitas testemunhas para procrastinar ao máximo o processo de impedimento contra Dilma. "Eu ouço o seu depoimento como especialista e não como testemunha", anunciou a Senadora dizendo que Ivo da Motta Azevedo Correa não poderia testemunhar o que não viu.

Veja abaixo o vídeo com a declaração polêmica da Senadora:

A sessão desta segunda teve muitos momentos marcantes. Um deles envolveu o Congressista Magno Malta, eleito pelo PSC do Espírito Santo. Ele disse que a presidente afastada Dilma só voltaria ao governo se morcego começasse a doar sangue e Saci cruzar as pernas. A frase foi dita cantarolada, já que é uma citação de uma das letras do compositor Bezerra da Silva. 

Em outro momento, Cássio Cunha Lima, da Paraíba, zombou da bancada do Partido dos Trabalhadores.

Publicidade

"Salve Tomás Turbando", disse ele se negando a fazer perguntas para a testemunha de defesa da presidente, que segundo o Senador também não teria nada a dizer. Ele ainda brincou com o fato de Lindbergh Farias, do Rio de Janeiro, dizer que Pinochet governou a China, quando na verdade, sua gestão foi no Chile.