O juiz federal Sergio Moro disse nessa sexta-feira, 24, que já está nas mãos com o processo contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Na semana passada, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu descer as investigações do petista na esfera jurídica. A decisão foi assinada pelo Ministro Teori Zavascki.  Com isso, o representante do Partido dos Trabalhadores (PT) será investigado por Moro no âmbito da #Lava Jato, que apura o desvio de dinheiro da maior estatal brasileira, a Petrobrás. Também estão na justiça de Curitiba, no Paraná, os processos relativos à suposta compra de um apartamento Tríplex, no Guarujá, e de um sítio na região de Atibaia, em São Paulo. 

Moro confirmou, de acordo com informações do site da Revista Veja, que vai usar alguns áudios captados com a ajuda da justiça.

Publicidade
Publicidade

Com exceção do que envolve a presidente afastada Dilma Rousseff. No áudio em questão, relativo ao dia 16 de março, #Lula e Dilma falam sobre o termo de posse para o petista no Ministério da Casa Civil. Houve a suspeita e acusações de que o cargo foi dado a Lula para que evitasse uma prisão, já que o Ministério Público de São Paulo chegou a pedir a prisão preventiva do político. 

Lula tentou ao máximo permanecer em todas as investigações no Supremo Tribunal Federal. Também nesta sexta, o ministro Teori Zavascki, do STF, determinou o envio para a Justiça Federal de Brasília da denúncia em que o ex-presidente Lula é acusado de obstrução à justiça por atuar para atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato. O Ministro entendeu que nem Lula nem Delcídio do Amaral, que perdeu o cargo, tem foro privilegiado. 

Agora espera-se o que Sérgio Moro irá fazer com tantas provas e acusações contra Lula.

Publicidade

Além dos áudios em questão, a Polícia Federal recolheu utensílios que seriam do petista no sítio de Atibaia. Acredita-se que outras provas que podem ser usadas contra o petista também tenham sido achadas em inúmeras operações da Lava Jato. O ex-presidente agora pode ter o pior, mas continua afirmando que é inocente. É um direito dele falar e da gente dar esse espaço.