Há 20 dias no poder, o presidente em exercício Michel Temer tem mostrado uma postura completamente diferente da afastada Dilma Rousseff. Com exceção do protesto envolvendo artistas pelo retorno do Ministério da Cultura, protestos importantes e notícias polêmicas tiveram respostas rápidas. Dois Ministros já foram retirados do posto e nessa quarta-feira, 1º de junho, #Michel Temer decidiu renegociar o programa 'Minha Casa, Minha Vida' com o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST). 

O grupo invadiu um prédio da presidência em São Paulo. A Polícia foi chamada e houve muita confusão. Cinco pessoas foram presas. Profissionais da segurança precisaram usar de força, bombas e gás de pimenta contra os manifestantes.

Publicidade
Publicidade

Mochilas com rojões foram encontradas. Bastou o protesto ganhar destaque na mídia para o Ministro das Cidades, Bruno Araújo, assinar uma portaria retomando a contratação gradual de 10 mil casas. O líder do Movimento dos Sem Teto, Guilherme Boulos, chegou a dizer que incendiaria o país com o afastamento de Dilma.

O MTST, é claro, comemorou a decisão do peemedebista em reavaliar o 'Minha Casa, Minha Vida'. No entanto, mesmo assim, o movimento não deve deixar de protestar. Isso porque o MTST é um confesso apoiador do Partido dos Trabalhadores (PT) e de Dilma. A pauta pela volta da presidente, que até então pouco tinha feito pelo grupo, continua em vigor. 

Temer pode ter cometido um grande erro ao voltar atrás tratando com o Movimento dos Sem Teto. Isso porque os que protestam podem se sentir empoderados, já que sabem que o peemedebista está com medo de perder na votação do impeachment.

Publicidade

O que isso acarreta? Ainda mais protestos, deixando uma situação de instabilidade que pode ser fatal não só na governabilidade, como também irritando Senadores.

Dois Congressistas anunciaram recentemente que devem mudar seus votos pelo impeachment. O temor de Temer de reviravolta fez com que ele pedisse que seus aliados corressem para agilizar a votação sobre a deposição da representante do Partido dos Trabalhadores (PT). #Governo