O Ministério das Relações Exteriores, comandado por José Serra, do PSDB, decidiu nesta terça-feira, 14, exonerar de sua função o diplomata Milton Rondó Filho. Ele ficou conhecido no noticiário por ter enviado em março uma mensagem para embaixadas do Brasil em todo o mundo alertando para a possibilidade de golpe de estado no Brasil. O alerta foi dado no momento em que a presidente Dilma Rousseff ainda não havia passado pela principal votação sobre o impedimento até agora, a da Câmara dos deputados. 

A confirmação da demissão do diplomata já está no Diário Oficial da União. A exoneração dele já era prevista depois do episódio e também após a mudança de postura do Itamaray.

Publicidade
Publicidade

Rondó atuava coordenando ações no exterior para o Combate à Fome. O comunicado enviado por ele às embaixadas brasileiras foi visto como um incidente diplomático. Minutos depois do envio da mensagem, o governo brasileiro enviou uma nova norma, que cancelava tudo o que foi dito anteriormente. 

Muda a postura do Itamaraty com Temer

O presidente em exercício Michel Temer, do PMDB, já orientou o Ministro José Serra a fazer a melhor comunicação possível a respeito do #Impeachment que ocorre no Brasil. Desde que assumiu o cargo, Serrá viajou para o exterior e conversou com políticos e entidades. O objetivo dele é dizer que a constituição brasileira prevê a deposição do presidente e que Dilma está tendo toda a defesa possível. Serra lembra ainda que desde a redemocratização, esse não é o primeiro impeachment que ocorre contra um presidente.

Publicidade

Em 1992, o primeiro presidente eleito diretamente após o regime militar, Fernando Collor de Mello, acabou renunciando faltando poucos dias para a votação no Senado que definiria a deposição e inelegibilidade de Collor. Anos depois o hoje Senador de Alagoas conseguiu no Supremo Tribunal Federal (STF) que não era culpado do crime que foi acusado para o impeachment.

O processo contra Fernando foi curtíssimo. Tudo aconteceu em dias. O de Dilma já se arrasta desde o ano passado, quando o pedido de impeachment foi protocolado na Câmara dos deputados.  #PT #Dilma Rousseff