A depender do presidente em exercício, #Michel Temer, do PMDB, não sobrará um petista sequer para contar história de como foi o governo da presidente afastada Dilma Rousseff. De acordo com informações do jornal 'Folha de São Paulo' em reportagem publicada nesta quinta-feira, 09, o peemedebista mandou acelerar demissões no segundo e no terceiro escalão do partido. Isso porque muitos dos nomes que trabalharam com Dilma ainda continuam enviando dados importantes do Palácio do Planalto ao Partido dos Trabalhadores (PT). Eles são vistos como verdadeiros espiões. 

Mas não é só isso. Michel Temer está realmente irritado com as chamadas "regalias" que Dilma ainda continua tendo.

Publicidade
Publicidade

Uma delas foi publicada pela imprensa no início dessa semana. De acordo com diversos veículos de comunicação, Rousseff continuava a receber o clipping diário de notícias. O artefato era "contrabandeado" do Palácio do Planalto. O documento é conhecido por ser um enorme calhamaço azul de papel, tendo notícias das principais empresas midiáticas do país sobre Dilma.

A partir desse documento, a petista e sua assessoria trabalham para entender como está a opinião pública sobre ela. O clipping, de acordo com informações do site da 'Época', seria enviado pelos petistas espiões que ainda sobrevivem no Palácio do Planalto. Por essa e por outras, Temer quer que as demissões sejam aceleradas. Quando assumiu o governo, ele e o então Ministro do Planejamento, Romero Jucá, chegaram a anunciar que pelo menos quatro mil pessoas seriam exoneradas até o final do ano.

Publicidade

Esse prazo desse ser diminuído para calar o Partido dos Trabalhadores (PT).

Comenta-se até que Temer demorou para tomar atitudes de represália contra Dilma, justamente por não acreditar que ela fosse ter força para sobreviver ao processo de impeachment. Agora com a possibilidade de reviravolta, ele decidiu atacar. Nos últimos dias, a equipe do peemedebista chegou a bloquear os cartões corporativos de Dilma e proibiu que ela fizesse viagens através das aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB). #Dilma Rousseff