Na manhã desta quinta-feira, 16, o presidente em exercício Michel Temer, do PMDB, falou pela primeira vez sobre as acusações do ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado. Ele negou que tenha recebido ou pedido dinheiro de propina para a campanha eleitoral de Gabriel Chalita. "São acusações levianas. Sempre que acusações como essa aparecerem na imprensa, eu como homem público, pai de família e presidente em exercício falarei para todos os brasileiros", disse #Michel Temer.

Muda o jeito de falar do governo 

O presidente prosseguiu com o seu pronunciamento feito à imprensa. A fala durou poucos minutos e não teve a intervenção dos repórteres.

Publicidade
Publicidade

Com o pronunciamento, Temer alega que não cometeu nenhum crime e que mostra uma forma diferente de governar e de se comunicar. Durante o governo da presidente afastada Dilma Rousseff, por exemplo, a demora para falar a respeito de acusações acabava aumentando a crise em torno do Partido dos Trabalhadores (PT).

Temer diz que é bem recebido no país e fala de cortes necessários

O marido de Marcela falou também que se tivesse cometido qualquer irregularidade não seria tão bem recebido nas mais diversas partes do país. "Agradeço o carinho de todos", prosseguiu ele. O peemedebista confessou que nesse pouco mais de primeiro mês de governo tem tentado dar uma resposta à população. Ele citou a chamada "herança maldita" deixada por Dilma - enumerando dados ruins deixados na conta do governo - e que tem tentado economizar.

Publicidade

Michel citou o fato de ter extinto Ministérios e ter demitido mais de 4.200 cargos comissionados. 

Delação polêmica

Sérgio disse em delação premiada a investigadores que o peemedebista aceitou receber propina para a campanha política do ex-candidato à prefeitura de São Paulo em 2012, Gabriel Chalita. O dinheiro teria saído de forma irregular da Queiroz Galvão, empreiteira investigava pela Lava Jato. Ao todo, foram doados segundo Machado, mais de R$ 1 milhão. "Para o Temer eu dei", disse Machado. Outros 19 políticos foram citados na delação de Sérgio Machado.  #PMDB