O presidente interino Michel Temer já avisou para sua equipe que qualquer erro fora de conduta pode levar à uma demissão. Assim já aconteceu com os Ministros do Planejamento e da Transparência nas últimas semanas. O novo demitido da vez é o Advogado-Geral da União, Fábio Osório, que vinha recebendo reclamações de vários lados. A informação foi confirmada pelo colunista Jorge Bastos Moreno neste sábado, 04. 

A demissão do chefe da Advogacia-Geral da União aconteceu depois de uma "carteirada". Fábio Osório tentou voar para Curitiba, no Paraná, durante essa semana. O voo foi para se reunir em um evento que tinha como presença o juiz federal Sérgio Moro, que coordena a maior investigação vigente no país, a Lava-Jato.

Publicidade
Publicidade

Fábio tentou embarcar na base aérea da Força Aérea Brasileira (FAB), pertencente à Aeronáutica, mas teve o pedido negado. Ele não gostou de levar um não e decidiu dar uma carteirada nos oficiais.

O agora (segundo 'O Globo') ex-Ministro disse que aquilo não poderia ocorrer, já que agora tinha cargo do primeiro escalão e que a constituição garantia a ele segurança, não podendo, portanto, viajar em um avião de carreira. A Aeronáutica acabou cedendo à viagem, mas fez questão de reclamar pessoalmente com o presidente em exercício, #Michel Temer.

Para piorar a situação do ex-integrante da AGU, o presidente não gostou nada de saber apenas pela imprensa que Ricardo Melo teve sua demissão revogada pelo Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli. O diretor-presidente agora já voltou a bater ponto na Empresa Brasileira de Comunicação (EBC).

Publicidade

 Além de não avisar nada ao peemedebista, cabia ao advogado fazer a defesa do #Governo na mais alta corte do país. 

Recentemente, o chefe da AGU decidiu entrar com um processo administrativo contra o ex-Advogado-Geral da União, José Eduardo Cardozo, que teria manchado as imagens de instituições ao usar a expressão "golpe" para defender a presidente afastada Dilma Rousseff do processo de impeachment. 

Em tempo: o governo federal ainda não confirmou a demissão do Ministro