Uma coisa está clara desde que o presidente em exercício Michel Temer chegou ao poder. O peemedebista tenta se aproximar de diversas forças no exterior, até mesmo as aliadas ao Partido dos Trabalhadores (PT). De acordo com uma reportagem do site 'Novo Segundo' publicada nesta sexta-feira, 09, o Itamaraty, agora sob o comando do tucano José Serra, decidiu alterar o voto dado pelo governo do PT em uma sessão realizada em abril na Unesco. 

Naquela oportunidade, países de todo o mundo debateram quais eram os direitos territoriais e culturais de Israel após a batalha que ficou conhecida como 'Guerra dos Seis Dias'. O texto favorecia a Palestina e foi aprovado com ampla maioria.

Publicidade
Publicidade

Ao todo, 33 países foram favoráveis à Palestina. Já 17 países preferiram não opinar sobre um conflito local, enquanto outros dois diplomatas sequer foram à votação. Antes, apenas seis países tinham sido contra ao texto. Com o Brasil, esse número aumenta para sete. Outro país que decidiu alterar o jeito de votar foi a França, que tenta uma aproximação com Israel. 

É bom destacar que a mudança do Brasil e da França não é suficiente para alterar o destino do documento no órgão que pertence à Organização das Nações Unidas (#ONU). No entanto, aproxima dois países que não estavam se entendendo há bastante tempo. A relação entre Israel e Brasil é considera frágil e piorou durante a gestão de Luiz Inácio Lula da Silva e da presidente afastada Dilma Rousseff. 

Outra mudança polêmica do governo brasileiro foi sobre a relação com os países bolivarianos.

Publicidade

José Serra e Temer fizeram um comunicado, no qual repudiaram o fato de países como a Venezuela falarem que o impeachment da presidente Dilma é um golpe. O peemedebista e o tucano fizeram questão de esclarecer que todo o processo de impedimento está seguindo a lei brasileiro, sendo observado de perto por órgãos como o Supremo Tribunal Federal (STF). 

É bom lembrar que o próprio STF esclareceu que não existe golpe em curso no país. Apesar disso, o PT continua usando o discurso considerado marketing. #Michel Temer