Aquela combinação que todo mundo ama, o arroz e o feijão, está difícil nos últimos meses. É que o feijão subiu em média 33% desde o começo do ano e, em alguns supermercados, um quilo de feijão equivale a cinco quilos de arroz. Ontem, 22 de junho, os tweeteiros resolveram se manifestar e pedir que o presidente Michel Temer abaixe o preço do feijão. Eles utilizaram a hashtag #Temerabaixaopreçodofeijão. Temer já prometeu que, inicialmente,  irá importar o feijão de países da América do sul: Argentina, Paraguai e Bolívia.

Por que o feijão aumentou? O ministro da agricultura, Blairo Maggi, disse que o preço do produto aumentou devido à questões climáticas, que ocasionaram a perda de praticamente toda a safra no Centro-Oeste.

Publicidade
Publicidade

O resultado dessa catástrofe que incomoda e muitos os brasileiros é a diminuição da oferta e o aumento da procura pelo alimento, resultando no aumento do preço.

Piadas na internet

Muitos internautas estavam reclamando de comer só arroz e carne todos os dias e que iriam morrer cedo porque poderiam ficar sem ferro no sangue. Outro internauta comparou grãos de feijão com diamantes e ensinou como fazer jóias e anéis com o alimento. Antes as pessoas reclamavam que, quando elas abriam o pote de sorvete, tinha feijão, e atualmente elas reclamam que quando elas abrem o pote, dessa vez, tem sorvete mesmo. Tem gente que está com medo de sair com um quilo de feijão à noite, nas ruas, porque podem ser roubadas facilmente.

Quem já viu aquele ditado “O melhor do Brasil é o brasileiro”? Porque mesmo enfrentando o preço do feijão, que está altíssimo, os brasileiros sabem levar as suas dificuldades na brincadeira.

Publicidade

Os internautas encheram o Twitter de memes e frases engraçadas sobre o aumento desse alimento tão importante da família brasileira. Confira:

Problema resolvido ?

O presidente #Michel Temer  informou na última quarta-feira , 22 de junho, através da sua conta no Twitter,  medidas de estímulo à importação do feijão, para diminuir o preço do produto.

Publicidade

Ele liberou a importação do feijão de países do Mercosul e estuda a retirada de taxas e impostos cobrados dos produtos de países como México e China. O lado negativo é que o prato típico brasileiro não será mais tão brasileiro assim. #Entretenimento #Inflação