O ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores, PT,  João Vaccari está mesmo disposto a entregar toda a trupe da legenda. De acordo com informações da Coluna Painel, da 'Folha de São Paulo' desta segunda-feira, 20, Vaccari pode entregar tudo o que sabe sobre os dirigentes da sigla que elegeu o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Nos últimos dias, o preso durante a operação #Lava Jato, decidiu elevar o nível de reclamação contra generais de seu partido.

Ele não tem gostado da forma como tem sido tratado pelo clube partidário a quem sempre tanto se entregou com seus trabalhos essenciais para o crescimento da sigla. Ele Queixa-se de abandono profundo.

Publicidade
Publicidade

De acordo com a coluna Painel da Folha, Familiares do ex-tesoureiro petista são aqueles que mais estão a pressionar para que ele fale logo. A delação pode diminuir a longa pena que Vaccari terá que pagar em regime de reclusão.  

Fontes entrevistadas pela 'Folha de São Paulo' já dizem que o ex-todo poderoso do #PT está mandando recados diretos da prisão. Ele pede diretamente do cárcere para que seus companheiros tomem conta dele. Do contrário, ele poderá ter reações fortes. Estima-se que uma delação de Vaccari possa resvalar até mesmo na presidente afastada Dilma Rousseff, especialmente agora, quando essa tenta se defender de um longo processo de impeachment. 

Por administrar o dinheiro da legenda, Vaccari é um dos homens que pode dar certeza de onde veio e para onde foi qualquer recurso lícito ou ilícito de campanhas recentes ou mais antigas.

Publicidade

Com uma longa história com o partido, ele poderia soltar bombas ainda da década de 80, quando Lula despontava de líder sindical para um dos candidatos à presidência da nova república. Naqueles tempos, os trabalhadores tinham grande esperança no partido. Eles fechavam fábricas e faziam greves que entraram para a história. 

Atualmente, muito pela desesperança e desemprego em alta, o partido não tem sido capaz de ações orquestradas como as de antigamente. Já há gente que defensa uma delação coletiva do próprio PT.