O Instituto TRAC - Terrorism Research & Analysis Consortium (Consórcio de Pesquisa e Análise do #Terrorismo), serviço de inteligência especializado em organizações terroristas, interceptou e divulgou uma série de mensagens em português enviadas pelo #Estado Islâmico aos seus seguidores. As mensagens foram enviadas pelo aplicativo Telegram para um grupo de simpatizantes do Estado Islâmico, no canal secreto da organização. O canal, chamado de "Online Dawah Operations" (Operações online de divulgação do islã), serve principalmente como um canal de notícias do grupo, divulgando os últimos ataques da organização. Um das mensagens interceptadas pelo Trac, entretanto, foge ao padrão.

Publicidade
Publicidade

Nela, um soldado do Estado Islâmico, identificado como Ismail Brazil, recruta jovens lusófonos (pessoas que falam português). O texto, em inglês, diz:

"Que a paz, o perdão e a benção de Alá esteja com você.

Queridos irmãos e irmãs, estamos precisando de irmãos e irmãs que falem português ou espanhol para nos ajudar no nosso projeto, se Alá quiser. Se você fala uma dessas línguas e deseja se juntar ao nosso time de tradutores, por favor, me envie um wickr (aplicativo de troca de mensagens)."

Nas demais mensagens divulgadas pela empresa de inteligência, os combatentes descrevem as últimas ações do grupo terrorista em seus campos de batalha na Síria e no Líbano, entre outros. Uma das mensagens, em português imperfeito, como se tivesse sido traduzida do inglês ou árabe para o português, foi enviada no dia 19 de junho e diz:

"O exército Nusayri (grupo fundamentalista xiita, rival do Estado Islâmico), com o suporte das milícias Rafidhi ('aqueles que rejeitam o islã') e cobertura de aeronaves russas, tentou avançar ao campo petrolífero Thawrah (cidade na Síria), enquanto dois soldados do califado detonaram seus VBEDs (carro ou caminhão-bomba) em meio às aglomerações que tentavam avançar.

Publicidade

Depois disso, intensas batalhas ocorreram, com a intervenção de aeronaves russas".

As mensagens visam atrair simpatizantes a se unirem ao Estado Islâmico no Brasil, às vésperas das Olimpíadas. O recrutamento de brasileiros e de lusófonos já preocupa as autoridades brasileiras, conforme antecipado pela Blasting News. Saiba mais clicando aqui. #Ataque Terrorista