Nesta quarta-feira,15 de  de junho, o Senador Ronaldo Caiado, eleito pelo Democratas de Goiás, acabou derrubando a defesa realizada pelo advogado José Eduardo Cardozo. O ex-Ministro da justiça defende a presidente afastada Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (#PT). Ronaldo apresentou um alerta enviado pelo Tribunal de Contas da União, o TCU, que demonstra que antes mesmo das contas do governo terem sido reprovadas, o órgão controlador já tinha avisado que Dilma estava cometendo erros. 

O alerta do TCU evidencia que a presidente não só cometeu um crime de responsabilidade fiscal, como também sabia que estava cometendo.

Publicidade
Publicidade

A prova, até agora, é uma das mais importantes apresentadas. Isso porque evidencia que o Tribunal de Contas estava preocupado há tempos com o jeito de governar de Dilma e como isso poderia afetar a verba do governo. O tribunal explica que a petista estaria pagando empréstimos a bancos públicos com dinheiro dos próprios bancos, fazendo aparentemente a dívida ser paga, quando na verdade, essa só aumentava.

Veja abaixo o vídeo com o comentário feito pelo Senador Ronaldo Caiado e com algumas explicações do jornalista Felipe Moura, colunista do site da 'Revista Veja':

Como você pode ver pela análise do jornalista Felipe Moura, a prova usada por Caiado é como uma "tampa no caixão" de Dilma. Isso porque até mesmo os Senadores mais do "direito", que dizem estar ali julgando um processo, agora não tem mais argumentos para defender a presidente afastada.

Publicidade

É claro que a maioria dos Congressistas dá o seu voto por motivos políticos, argumentando sempre que a companheira do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, de fato, cometeu tudo o que ela é acusada. 

A Comissão do Impeachment do Senado parece não ter fim. A defesa de Dilma chegou a chamar 40 pessoas para serem entrevistadas pelos Senadores. A oposição reclamou da atitude, relatando que o principal objetivo da bancada petista seria procrastinar o processo, o que de fato vem acontecendo. Dilma também deve ser chamada para depôr.