Na madrugada deste domingo, 19, o Hospital Municipal Souza Aguiar foi invadido por traficantes. Mais de 20 bandidos entraram na unidade para capturar outro criminoso, o popular Fat Family, nome de Nicolas Labre Pereira de Jesus. Na incursão, um homem foi morto e dois outros foram feridos. A Polícia Civil do Rio de Janeiro tenta identificar os envolvidos no caso. No entanto, segundo informações do site da Revista Veja, a entidade já tinha informações sobre possibilidade de invasão da unidade. 

Agora uma prova pode ajudar os polícias. Um vídeo publicado pelo jornal carioca O Dia no fim da noite de domingo traz áudios que seriam dos traficantes.

Publicidade
Publicidade

Eles comemoraram o fato de terem tirado o bandido do Souza Aguiar. "Trouxemos, mané. O mano tá na rua com nós (SIC). O amigo tá bem", comemoram os meliantes na publicação que está hospedada no Youtube. O conteúdo pode ser acessado logo adiante na reportagem. 

Fat Family foi capturado no dia 13 pela Polícia. Ele levou um tiro na cabeça e precisou ser levado para o Souza Aguiar. O Secretário de Segurança do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, já defende que os presos ou suspeitos sejam levados a partir de agora para o hospital penitenciário. Segundo o jornal 'O Estado de São Paulo', ele pedirá já no início dessa semana a ação ao governador em exercício do Rio de Janeiro, Francisco Dornelles, do Partido Progressista (PP).

Veja o vídeo com o áudio da comemoração dos bandidos:

A ação dos bandidos foi considerada ousada.

Publicidade

A Polícia não descarta a possibilidade de advogados de Fat Family terem ajudado na fuga. Isso porque os bandidos sabiam exatamente o andar e o quarto onde o criminoso estava. Os criminosos utilizaram granadas na ação, fuzis e pistolas. Um ambulante que trabalha em uma carrocinha chegou a ser usado como escudo. 

Quem estava na unidade hospital descreveu a ação como aterrorizante. "Parecia um filme de terror. A gente não tem mais um lugar para ficarem segurança, nem mesmo no hospital", disse uma testemunha que preferiu não ter o nome identificado.  #Terrorismo #Crime