Ex-aliado e amigo da presidente afastada Dilma Rousseff, o ex-diretor da área Internacional da Petrobrás Nestor Cerveró, deixou nesta sexta-feira, 24, a carceragem da Polícia Federal em Curitiba, no Paraná. Ele estava preso desde o ano passado e após delações premiadas, vai poder ficar em casa usando tornozeleira eletrônica. Disfarçado, Cerveró tentou se esconder de populares, mas ao voltar para casa decidiu pegar um avião comercial. No voo, viajavam diversos repórteres, além de outras pessoas que iam para o Rio de Janeiro. O ex-diretor da Petrobrás usava uma boina e óculos escuros. 

Na maior parte da viagem, Ceveró passou desapercebido, mas após negar entrevistas a jornalistas acabou sendo descoberto.

Publicidade
Publicidade

Ele foi xingado e vaiado durante o voo. Em um vídeo publicado pelo  G1, o homem condenado pelo juiz federal Sérgio Moro chega a sorrir com os ataques feitos pelos populares. De acordo com uma reportagem do 'Jornal Hoje', Cerveró chegou por volta do meio dia no aeroporto Tom Jobim, no Rio de Janeiro. 

O benefício de poder cumprir a pena em casa foi dado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), após o ex-aliado do governo federal na era petista colaborar com procuradores do Ministério Público Federal. Ele foi um dos primeiros delatores da Lava Jato, que apura os desvios de verbas da maior estatal brasileira, a Petrobrás.

A operação já está em vigo a mais de dois anos e parece não ter data para acabar, já tendo mais de 30 etapas, além das operações que foram iniciadas por conta da própria Lava Jato, como a 'Custo Brasil', que nesta quinta-feira, 23, prendeu preventivamente o ex-Ministro do Planejamento, Paulo Bernardo.

Publicidade

O político é marido da Senadora Gleisi Hoffmann, do Partido dos Trabalhadores (PT) do Paraná.

Em entrevista ao G1, o advogado de Cerveró, Igor Arthur Rayzel, contou que seu cliente está aliviado com o novo regime prisional, mas que tem consciência que a progressão não significa a liberdade. "Ele está muito tranquilo", revelou. 

Veja abaixo vídeo em que Cerveró aparece sorrindo:

#Dilma Rousseff #Impeachment