Nesta terça-feira, 14, a Delegacia Geral de Teresina, no Piauí, deve ouvir uma mulher de 21 anos. De acordo com informações do G1, a mulher teria sido vítima de um estupro coletivo na região. O caso ocorreu no município de Sigefredo Pacheco. Assim como o que ocorreu no Rio de Janeiro, o #Crime apenas foi descoberto depois que suspeitos gravaram imagens do estupro e divulgaram nas redes sociais. A mulher é violada dentro de um carro e aparece desacordada nas imagens.

Quem está cuidando da investigação é a delegada Anamelka Cadena. De acordo com ela, ainda existiam informações escassas sobre o caso. No entanto, a jovem foi encaminhada para um atendimento psicológico no Sanvis, Serviço de Atendimento à Mulher Vítima de Violência,que é cuidado por uma maternidade da região.

Publicidade
Publicidade

No local, ela passou também por exames, que devem constatar como está a região ginecológica e quais foram os malfeitos realizados pelos bandidos. Em seguida, ela tomou um coquetel de remédios para evitar que pegue doenças sexualmente transmissíveis, como o vírus do HIV. 

Esse é o quarto caso de estupro coletivo no Piaúí que se tem notícia em apenas um ano. Na última semana, uma adolescente de 14 anos foi abusada por quatro homens, três deles menores de idade, em um ginásio da região. A mãe viu tudo e tentou chamar a Polícia, mas os estupradores foram mais rápidos e fugiram nus.  

Nas imagens do novo caso, homens aparecem apalpando o órgão genital da garota enquanto ela está dormindo. É bom lembrar que compartilhar imagens como essas também pode ser considerado crime. 

O estupro coletivo mais conhecido na história do Brasil foi o que ocorreu no mês passado com uma menina de 16 anos no Rio de Janeiro.

Publicidade

Em depoimento dado à Polícia Civil, a garota revelou que foi molestada sexualmente por 33 homens. Ela garante ter contado todos eles. A Polícia diz ter certeza que o estupro ocorreu, mas alguns dos suspeitos devem ser soltos nos próximos dias por falta de provas. A vítima saiu do estado do Rio de Janeiro e está em um programa de proteção. #Investigação Criminal