O senador Magno Malta, eleito pelo PSC do Espírito Santo, é um dos mais aguerridos nas acusações contra a presidente afastada Dilma Rousseff. Ele costuma participar de todas as sessões do impeachment do Senado. Nesta quarta-feira, 15, não foi diferente. O Congressista acabou dando uma lição de moral no advogado da representante do Partido dos Trabalhadores (#PT), José Eduardo Cardozo. Isso porque o ex-Ministro da Justiça parecia querer mandar na Comissão, falando, inclusive, quem deveria falar ou não. 

Magno Malta não aceitou essa represália e lembrou que quem manda no Senado são os Senadores e o povo que os elegeu. "Ele nem Senador é", argumentou irritadíssimo o congressista do PSC.

Publicidade
Publicidade

Em seguida, ele olha para os outros companheiros e diz que Cardozo está falando que ele pode ou não continuar contraditando. "Isso aqui já virou uma grande brincadeira", 

Até mesmo quando a presidente interina da mesa, Ana Amélia, tentava discursar, o advogado de Dilma parecia querer interrompê-la. Apenas líderes de partido podem falar quando bem entendem na Comissão. A medida é para evitar as constantes interrupções e ainda mais a procrastinação dos processos. O de Dilma é analisado há meses pela esfera política.

Não é a primeira vez que Magno Malta se estressa com a bancada petista. Senadores da legenda gostam de acusar outros partidos com denúncias que saíram na imprensa, até mesmo quando gente do "clube" deles também está envolvida. "Quem tem teto de vidro não deve atirar a pedra. Vocês podem quebrar o próprio telhado e cair tudo na cabeça de vocês", lembrou o Senador capixaba. 

Nessa semana, outro momento provocou polêmica com a defesa de Dilma.

Publicidade

Isso porque algumas testemunhas foram dispensadas pela mesa da Comissão. O Senador Lindbergh Farias, eleito pelo PT do Rio de Janeiro, chegou a gritar dizendo que ali estaria acontecendo um escândalo. "Isso é o golpe do golpe", lembrou ele durante a crítica aos colegas que tentavam dar rapidez ao processo. 

Veja abaixo o vídeo com a reação de Magno Malta, que deixou calado Cardozo:

#Governo