Nesta segunda-feira, 20, um vídeo começou a circular na internet e está provocando grandes debates em redes sociais. Ele mostra um protesto realizado em uma das salas de aula do curso de Direito da Universidade de São Paulo, a USP, uma das mais renomadas da América Latina. É na sala que a advogada Janaína Paschoal dá aulas na universidade. Janaína ficou conhecida por ser uma das advogadas que ajudou a escrever o protocolo com o pedido de impeachment contra a presidente afastada Dilma Rousseff.

Ela assina o documento com outros juristas, mas acabou se tornando a mais conhecida do grupo por estar constantemente participando das Comissões do impeachment, desde a fase da Câmara dos deputados, e também por ter um temperamento considerado forte, mostrando sempre emoção ao falar.

Publicidade
Publicidade

Em um dos momentos na Comissão da Câmara, ela chorou ao exibir um dos exemplares da Constituição brasileira. A tática vem dando certa e Dilma já perdeu na Câmara dos deputados e foi afastada pelo Senado Federal. 

O protesto mostra um grupo de estudantes com mordaças. Em alguns segundos, eles gritam "Fora, Golpe", "Fora, Temer". A sala de aula também teve diversas folhas com a palavra "golpista" coladas. A professora e advogada Janaína Paschoal ficou parada na porta assistindo tudo, parecendo não estar muito incomodada. Alguns alunos também sentavam nas respectivas cadeiras para estudar. Mas o protesto não terminou tão bem para o grupo que defende o Partido dos Trabalhadores (#PT).

Isso porque outro grupo de estudantes, esse a favor do impeachment, acabou sendo inteligente e usou da sabedoria para chamar mais atenção.

Publicidade

Com uma corneta, eles "expulsaram" o grupo do "golpe", que não conseguia mais ser ouvido pelos alunos. Muitos riam da situação. Não é o primeiro protesto contra a professora na USP. Quase todos os dias quando ela chega para dar aula o quadro está rabiscado com mensagens contra Janaína. Os alunos dizem que ela até brinca com a situação. 

Veja abaixo um vídeo que mostra um trecho da abordagem do protesto:

#Governo