Nesta segunda-feira, 13, um momento chamou a atenção na Comissão do #Impeachment no Senado Federal. Senadores ouviam testemunhas de acusação contra a presidente afastada Dilma Rousseff. Uma delas foi o Secretário de Macroavaliação Governamental do Tribunal de Contas da União (TCU), Leonardo Rodrigues Albernaz. Ele disse com toda certeza que o Tribunal não pode ser influenciado pelas mais diversas opiniões políticas. Além disso, segundo o auditor do TCU, nunca houve contas tão ruins como o que foi registrado no governo de Dilma em 2014.

Ele respondia à inquisições propostas pela Senadora Gleise Hoffmann, eleita pelo Partido dos Trabalhadores (#PT), do Paraná.

Publicidade
Publicidade

Segundo Leonardo Albernaz, o relatório rejeitando as contas de Dilma foi feito por mais de 50 auditores e foi baseado em acórdãos. "A rejeição das contas do governo não foi realizada sem sentido. Isso aconteceu porque em 2014 nós tivemos a gestão financeira mais temerária desde que a lei de responsabilidade fiscal foi criada", disse o Secretário de macroavaliação.

Gleise então diz que ali o objetivo era discutir o ano de 2015. Ela então levou um fora do Secretário. "Com todo respeito Senadora. A senhora perguntou o que houve em 2014 e eu estou respondendo", disse ele. Leonardo fez questão de lembrar que o Tribunal de Contas não é um ambiente de legendas políticas. "Não tem um auditor que não seja concursado no TCU. Nenhum deles é influenciado por qualquer coisa, devido à independência de opinião", continuou ele a defender seu ponto de vista. 

A reação do Secretário foi muito elogiada em grupos a favor do impeachment e contra Dilma.

Publicidade

"Cegueira ideológica ou burrice mesmo! Pergunta e como a resposta não foi como ela gostaria, tenta fazer joguinho como se o cara é que estivesse errado! E ainda faz carinha", disse uma internauta revoltada. "Essa senadorinha medíocre se perguntar pra ela qual é a função de um senador essa ridícula é capaz de nao saber responder (SIC)", completou outro. 

Veja abaixo o vídeo com o momento de discordância do auditor do TCU: