O funcionário público Max Ferreira Silva, da cidade de Vitória, no Espírito Santo, recebeu na semana passada, o valor de 6,5 mil referentes a um acordo proposto pela empresa Vivo, após ele ter recebido uma média de 62 ligações por cobranças indevidas. 

O servidor público entrou na #Justiça contra a operadora Vivo, após receber durante doze dias, no período de 7 a 18 de janeiro desse ano, mais de sessenta ligações, nas quais era cobrado por uma fatura já paga. Essa fatura cobrada foi paga três dia depois do vencimento devido às festas de fim de ano - venceu no dia 26 de dezembro de 2015, um sábado, e foi paga no dia 29 de dezembro de 2015. 

ENTENDA O CASO

Mesmo com a conta paga, a partir do dia 7 de janeiro, ele começou a receber ligações de cobrança.

Publicidade
Publicidade

Atendentes diziam ser do serviço de telemarketing, a serviço da empresa Vivo. Além de ser constrangido pelas cobranças indevidas, o cliente ficou mais revoltado foi com o fato de não ter horário para as ligações acontecerem. Chegou a receber ligações às 23h43, em seu horário de descanso. Outras ligações ocorreram no fim de semana, em pleno domingo às 9h05 da manhã, quando ainda estava dormindo. 

Após tanto incômodo, Max começou a gravar as ligações de cobrança, em que, inclusive, reclamava com as atendentes a respeito do horário e elas informavam que até entendiam a situação dele, que isso realmente era chato, mas que estavam cumprindo com suas obrigações. 

A operadora Vivo informou, por nota, que não comenta processos que estão na justiça.

Acordo com a operadora

O cliente Max Ferreira explicou, que após tanto incômodo, resolveu entrar com um processo contra a empresa, por danos morais.

Publicidade

Antes mesmo da audiência de conciliação, que havia sido marcada para o dia 1º de março, a operadora Vivo o procurou e fez uma oferta de acordo entre as partes, oferta essa aceita por Max. O valor oferecido foi de 6,5 mil, que caiu na conta do cliente na semana passada. Com isso, a audiência de conciliação nem chegou a ser realizada e o acordo foi homologado no dia 18 de abril.