Nesta segunda-feira, 25, o Instituto Paraná Pesquisas divulgou mais uma prévia de como anda o amor dos brasileiros pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidente afastada Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (#PT). Os dados foram divulgados pelo jornalista Felipe Moura, da Revista Veja. A pesquisa foi realizada entre os dias 20 e  23 desse mês. Praticamente metade dos brasileiros querem que o ex-líder sindical seja preso pelo juiz federal Sérgio Moro, que comanda a principal Operação investigativa do país, a Lava Jato. Outros 34,1% preferem que o petista tenha um destino um pouco menos pior, fora da cadeia, mas bem longe da política.

Publicidade
Publicidade

Eles querem #Lula aposentado. Ou seja, somando-se esses índices já temos 80% de brasileiros que não querem Lula para governar, já que presidente não pode gerir um governo atrás das grades. 

Para compensar os dados ruins, alguns brasileiros ainda querem Lula de volta, especialmente no Nordeste brasileiro, região mais pobre do país e que é considerada um reduto petista. 15,2% acreditam que Lula deve voltar a ser presidente do Brasil. Os números em nada se parecem com o fim do segundo governo do petista, quando o fundador do Partido dos Trabalhadores chegou a ter índices de aprovação acima dos 80%. 

Os números de Lula são menos favoráveis até mesmo do que o atual presidente em exercício, Michel Temer, do PMDB. O peemedebista tem 23,8% da pontuação da população para continuar no poder.

Publicidade

Menos da metade dos votos teve a presidente afastada Dilma Rousseff. Apenas 11% dos brasileiros acha que o impeachment é golpe e que ela tem que voltar. Isso mesmo, apenas um em dez brasileiros. A maior parte acredita que o melhor para o país é que haja uma nova Eleição para presidente. É isso o que quer uma maioria esmagadora de brasileiros. A pesquisa tem 62% de eleitores que assim querem que o destino da presidência seja traçado, realizando-se um novo pleito. 

Em agosto, a distância desses números deve aumentar ainda mais. Isso porque haverá a votação no Senado pelo impedimento da petista.