Nesta terça-feira, 05, o jornal da Inglaterra 'The Guardian' publicou uma reportagem com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Na conversa, segundo informações do jornal 'O Globo', o representante do Partido dos Trabalhadores (PT) voltou a criticar a Operação Lava-Jato e a atuação do juiz federal Sérgio Moro, que comanda a apuração. De acordo com ele, durante seu governo o Brasil teve muitos avanços. Sem qualquer humildade, ele se intitula o "melhor presidente da história do Brasil". Também segundo o petista, tudo o que ele ajudou a construir estaria a desmoronar por conta do que chama de "golpe", que o processo de impeachment contra a presidente afastada Dilma Rousseff. 

Ele falou que gostaria que outra pessoa concorresse à presidência em seu lugar, mas lembra que deixou o governo com aprovação recorde, 87%.

Publicidade
Publicidade

Dilma chegou a ter quase esse número de rejeição durante o seu segundo mandado. Já o presidente em exercício, Michel Temer, do PMDB, tem pouco mais de 10% de brasileiros que acham seu governo, que começou recentemente, ótimo ou bom. 

Segundo o ex-presidente, existe um acordo da mídia, da Polícia e de procuradores da Justiça para destruí-lo, pois ele poderia ser candidato em 2018 e tem grandes chances de ganhar. Lula lembra que perdeu eleições, mas que a direita não saberia perder. Ele ainda reclamou da Lava-Jato, dizendo que Sérgio Moro deveria investigar todos os partidos, assim como tem feito com o Partido dos Trabalhadores, insinuando assim que pudesse existir um complô contra ele. 

Mais cedo, a coluna da jornalista Mônica Bérgamo, da 'Folha de São Paulo' repercutiu como os amigos do ex-presidente estão vendo suas atuações nos últimos tempos.

Publicidade

De acordo com eles, o companheiro de Dilma Rousseff tem sorrido muito pouco. Além disso, o político que era visto quase como  um guru, deixou de ser procurado por empresários. Suas participações em palestras pagas também diminuíram, assim com as verbas destinadas ao PT, que chegou a fazer uma vaquinha recentemente para bancar viagens de Dilma pelo país. 

  #Crime #Investigação Criminal