O grupo de hackers Anonymous decidiu se posicionar em relação a mais um bloqueio do WhatsApp em todo o Brasil. Nesta terça-feira, 19, o grupo disse que tirou do ar o site de um órgão da justiça carioca. Foi no Rio de Janeiro que saiu a nova decisão que prejudica o aplicativo do Facebook. A página em questão é a do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. A juíza do órgão argumentou que o WhatsApp deveria ser retirado do ar após não colaborar com investigações criminais no Estado. Até o fechamento desta reportagem, por volta das 16h15, o site do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro ainda continuava fora do ar. 

De acordo com uma reportagem do site especializado 'Olhar Digital', o site do TJ-RJ teria parado de funcionar por conta de um ataque DDoS.

Publicidade
Publicidade

Segundo especialistas, o ataque desse tipo faz com que o site tivesse a "sensação" de ser acessado demais. Isso faz com que o servidor não aguente e a página não possa mais ser acessada. Não é a primeira vez que o Anonymous faz ações do tipo. Geralmente, o grupo coloca seu emblema nos sites, mas dessa vez, ele usou essa estratégia. O anonymous chamou a ação de "OpStopBlocking".

A decisão da Justiça foi muito criticada nas redes sociais. Um dos argumentos usados pelos internautas é de que até hoje nunca foram bloqueados celulares dentro dos presídios brasileiros, por exemplo. Todas as tentativas de se fazer isso foram frustradas. Além disso, quem acaba realmente se prejudicando com esse tipo de atuação é o próprio usuário. 

"Gente, muitas pessoas fazem vendas, compram serviços, vivem e ganham dinheiro com a ajuda do WhatsApp", lembrou um internauta.

Publicidade

Em nota, o Facebook diz que espera que o serviço volte ao ar o mais rápido possível, mas que não tem como conseguir os dados que a Justiça tanto pede por o seu serviço ser criptografado. Com isso, outros serviços do mesmo tipo, como o Telegram, continuam a crescer. A saída do ar do WhatsApp foi um dos assuntos mais comentados da internet durante todo o dia. Não há uma previsão para o retorno do serviço.  #Crime