Oito pessoas foram presas, na manhã desta sexta-feira (15), em uma operação conduzida pela FICCO-MG, Força Integrada de Combate ao #Crime Organizado de Minas Gerais, na cidade de Uberlândia. As investigações foram iniciadas há três meses e resultaram na apreensão de um carregamento pesado de armas, inclusive algumas de uso restrito, drogas, muitas munições e carros roubados. De acordo com as investigações, a quadrilha participava de contrabandos de armas na região de Uberlândia, Uberaba e outras cidades do Triângulo Mineiro, além de forte envolvimento com o tráfico de drogas.

De acordo com o delegado da Polícia Federal responsável pelo caso, Carlos Cota D'Ângelo, os materiais eram provenientes do Paraguai e foram localizados dentro do carro de Thiago Lemes de Mello.

Publicidade
Publicidade

Thiago, que seria o chefe da quadrilha, foi preso no Bairro Santa Mônica da cidade. O suspeito era conhecido em Uberlândia como Thiago Camelô, por possuir um Box no camelódromo da cidade, onde fazia a venda de produtos contrabandeados.

Thiago usava um fundo falso em seu carro para camuflar as drogas, munições e armas, além disso, para que ninguém desconfiasse, ele colocava outros produtos, como aparelhos eletrônicos, brinquedos e whisky por cima, conseguindo, dessa forma, atravessar a fronteira dos dois países sem ser pego pelas fiscalizações.  As outras sete pessoas presas davam cobertura no comboio que transportava o contrabando do Paraguai.

Foram apreendidos, com a quadrilha, cinco carros roubados, além de 15 revólveres, centenas de munições de 380, 22 e 9 mm, 3 pistolas 9 milímetros, 20 lunetas para fuzil, 5 lunetas propoint e 5 lunetas Red dot, estas 10 lunetas usadas para mira de precisão, muitos carregadores, incluindo carregadores de pistola automática, uma rajada e um fuzil airsoft elétrico.

Publicidade

Além de todos esses materiais foram encontrados também, com o grupo, 25 quilos de cocaína.

Toda a ação que ocorreu nesta manhã foi mobilizada por militares do 9º Batalhão de Missões Especiais da Polícia Militar e articulada pela Polícia Federal. #Investigação Criminal #Casos de polícia