Uma artista brasileira está provocando uma enorme polêmica em todo o mundo. A carioca Laura Lima virou alvo de uma matéria do jornal 'O Globo' por conta de uma apresentação nos Estados Unidos. Conhecida como 'The Inverse', a apresentação entrou em cartaz em uma casa de artes em Miami. A instalação polêmica brinca com as escalas dos objetos. Fios de nylon, de repente, acabam virando cordas, dando uma ilusão de ótica surpreendente. 

A mostra teve organização de Alex Gartenfend. Os caminhos cheios de nós chamam a atenção de todos. No entanto, a exposição virou alvo de uma séria denúncia. Isso porque além das cordas, algumas pessoas de revezavam na apresentação.

Publicidade
Publicidade

Ao todo, eram seis artistas que se amarravam com as cordas. Uma delas decidiu falar e acusa que a 'The Inverse' a obrigou a fazer uma penetração de uma das cordas na própria vagina. A penetração ocorreu justamente na noite de abertura do evento, quando curiosos e jornalistas assistiam a tudo. A mulher acusa a brasileira de a induzir a realizar tal ato. Desde que enfiou a corda na vagina, a atriz performática alega que seu emocional está muito abalada. 

Os performáticos artistas precisam participar da exposição entre três e quatro vezes por semana. Essas pessoas ficavam atrás de paredes, exibindo apenas as pernas para quem está dentro do museu. As pernas aparecem em espécies de tocas de buracos. Justamente nesses buracos é que entram os fios de nylon que viram cordas. A revelação foi realizada em entrevista ao 'Miami News'.

Publicidade

A jovem, no entanto, não quis identificar seu nome. Já a brasileira confirmou que em suas exposições o corpo fica confundido com os objetos e a própria arquitetura do local. Apesar disso, ela nega que tenha obrigado a mulher a enfiar a corda na vagina, nem mesmo que tenha sugerido isso. 

Não é a primeira vez que apresentações artísticas chocam. No Brasil, alguns atos relacionados à crítica política também chocaram. Em um deles, uma mulher pariu a pátria, tirando a bandeira nacional do próprio órgão genital. E você, o que acha desse tipo de manifestação?  #Crime #Investigação Criminal