Seis pessoas foram baleadas na cidade de Uberlândia, no Triângulo Mineiro, neste domingo (10), quando estava sendo realizado um evento no "Arena Race". Uma das pessoas baleadas acabou não resistindo, vindo a falecer. A Polícia Militar informou que ainda está averiguando o caso, mas a suspeita, até o momento, é que o autor dos disparos utilizou uma submetralhadora e, até o momento, não foi identificado. Mais de 30 projéteis foram recolhidos no local dos disparos e estão sendo analisados.

Ainda, de acordo com a PM, algumas das vítimas foram encaminhadas imediatamente para o UAI - Unidade de Pronto Atendimento - que fica localizado no bairro Planalto, mas foi preciso encaminhar alguns feridos também para o Pronto Socorro do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do município.

Publicidade
Publicidade

O proprietário do local onde o evento aconteceu fez a locação para que a festa fosse realizada no sábado (09) e, segundo ele, foi apresentado um alvará fornecido pela prefeitura de Uberlândia autorizando. Ainda, de acordo com o proprietário, ele fez questão de ir ao local verificar a preparação e constatou que haviam seguranças suficientes para que a festa fosse realizada.

O Hospital de Clínicas da UFU divulgou que chegou a atender cinco pessoas atingidas pelos disparos, inclusive um menor, de 17 anos. Como um destes estava apresentando um quadro mais grave, precisou ser transferido para um hospital particular da cidade.

Infelizmente, um dos baleados não resistiu e acabou morrendo. Rafael Soares Cunha tinha apenas 18 anos e, quando chegou ao Pronto Socorro ainda estava vivo, mas não resistiu e veio a falecer, apesar do esforço da equipe médica para salvá-lo.

Publicidade

A PM não sabe também o que teria motivado os disparos, mas acredita que o motivo tenha sido por causa de drogas, já que o jovem que morreu apresentava diversas passagens pela polícia, inclusive por tráfico.

O patrulhamento continua sendo feito na tentativa de encontrar o autor dos disparos, mas a polícia espera poder contar com denúncias anônimas para chegar ao atirador. #Crime #Violência #Casos de polícia