Um caso está dando o que falar na cidade de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro. Um bandido decidiu invadir o templo de uma igreja evangélica, mas não saiu de lá com vida. Isso porque após pular o muro da instituição, o criminoso morreu de forma estranha. Para policiais, ele teria sofrido um mal súbito. Para fiéis e moradores da região, o homem foi "castigado" pelo todo poderoso. De acordo com uma reportagem publicada nesta terça-feira, 19, na Blasting News,  o homem não teve o nome revelado pela Polícia, mas a tentativa de roubo foi confirmada. Isso porque o meliante "castigado" carregada uma arma de brinquedo.

A suspeita é que seu principal interesse era roubar a tesouraria da igreja evangélica.

Publicidade
Publicidade

O corpo do homem só foi encontrado horas depois de sua morte, quando um funcionário chegou no local para trabalhar. Por conta da estranheza dos fatos, a notícia teve grande repercussão. De acordo com a reportagem publicada nesta terça aqui no portal, representantes da igreja não foram encontrados para falar sobre o assunto. Fiéis ouvidos teriam dito que a igreja passava dificuldades, talvez motivadas pelas baixas ofertas em um momento que o país passa por uma grave crise política e econômica. 

Dízimo na terra e no céu

Para evitar que ações como essa aconteçam, igrejas tem se cercado de segurança. A sede mundial da Igreja Universal do Reino de Deus, que fica no estado de São Paulo, por exemplo, usa até helicópteros para levar a quantia para um banco pelo menos uma vez por dia. Quando os cultos estão mais movimentados e as ofertas aumentam, esses valores  partem do local mais vezes.

Publicidade

Eles são retirados em malas de viagem. Já outras igrejas pedem que o dízimo seja pago através do cartão de crédito, dividido em doze mensalidades, como se fosse uma conta oficial.

Através do dízimo por cartão, o fiel acaba não se esquecendo do compromisso com a igreja, já as denominações que pregam a fé consegue se acertar melhor em relação às finanças, pois fica mais fácil saber o quanto terá de ganhos ao longo do ano. #Crime