Terminou na noite deste sábado (23), a angústia vivida pela servidora pública Cláudia Rogéria Cavalcanti, de Olinda/ PE. Sua filha, de 1 ano e 10 meses, que havia sido raptada pelo pai, foi encontrada no Estado do Amapá. Júlia estava desaparecida desde o dia 10 de julho, quando o engenheiro Janderson Rodrigo Salgado de Alencar a pegou às 09 horas da manhã. O pai deveria ter entregado a menina no mesmo dia às 18h, mas não apareceu. Desde então foi expedido um pedido de busca e apreensão itinerante da menina e o pai era procurado pela polícia.

De acordo com as investigações, Janderson teria rodado com a menina por diversos estados, entre eles, o Rio Grande do Norte, Pará, Maranhão e somente foram localizados em Santana, no sudeste do Amapá.

Publicidade
Publicidade

A operação para encontrar a menor envolveu policiais de Pernambuco, Pará e Maranhão. Como o suspeito estava sendo procurado pelo serviço de inteligência e não podia fazer uso de aeroportos e rodoviárias, acredita-se que ele usou táxi para se deslocar com a filha entre o Pará e o Maranhão. Havia uma suspeita de que Janderson planejava fugir com a filha do país, visto que sacou R$ 400 mil reais de sua conta antes de sumir com a menina.

A delegada responsável pelo caso, Gleide Ângela, se encontrava desde quarta-feira em Belém, no Pará, liderando as investigações e assim que soube da prisão viajou para Macapá para encontrar a menor e pedir a transferência de Janderson para Olinda, em Pernambuco. A previsão é que a delegada e sua equipe, juntamente com a menina e seu pai, cheguem a Recife ainda neste domingo.

A mãe comemorou muito ao saber que a filha foi encontrada bem, só um pouco magra e com tosse, e disse que só tem a agradecer a Deus por tudo.

Publicidade

A delegada também postou em seu perfil no Facebbok que estava muito satisfeita com o desfecho final da história. Os investigadores agora irão pegar o depoimento do acusado para saber o que aconteceu nos últimos 14 dias, desde que sequestrou a filha.

Segundo a advogada de Cláudia, Suelene de Sá Almeida, é preciso esperar a posição do Ministério Público em relação ao descumprimento da ordem judicial por Janderson, para saber quais serão as sanções penais cabíveis. #Investigação Criminal #Casos de polícia