O empresário Lírio Albino Parisotto, de 62 anos, é um dos homens mais ricos do mundo. Sua fortuna é avaliada em nove bilhões de reais. Ele apareceu no noticiário desta sexta-feira, 1º, após receber acusações de espancar a modelo e atriz Luiza Brunet, de 54 anos. O advogado da bela mulher, Pedro Egberto da Fonseca Neto, disse em entrevista ao G1 que o bilionário será citado na Justiça de São Paulo. A acusação contra ele será baseada na famosa Lei Maria da Penha. Apesar da agressão ter ocorrido na cidade de Nova York, nos Estados Unidos, o advogado quer que o empresário responda em terras brasileiras, onde a legislação para crimes domésticos é mais dura. 

A lei nº 11.340 de 2006, conhecida como Maria da Penha estabelece que se a lesão for praticada contra ascendente, descendente, cônjuge ou companheiro a detenção varia entre três meses e três anos.

Publicidade
Publicidade

A prisão, no entanto, não restringe o pagamento de danos morais à vítima. Com isso, o empresário pode perder uma grande fortuna na justiça, caso a violência contra a modelo seja comprovada. Até o momento, ele não se pronunciou sobre as graves acusações. O caso contra a modelo está sendo investigado pelo Ministério Público de São Paulo porque o empresário mora no estado. 

Além de depôr ao Ministério Público, Luiza passou por exames de corpo e delito no Instituto Médico Legal (IML). No local, ficou constatado que ela teria quebrado quatro costelas com as agressões. "O processo está em segredo de Justiça", disse o advogado da famosa, que revelou que sua cliente está bem tranquila após o episódio. O #Crime teria ocorrido em maio no apartamento do milionário em Nova Yortk, mas só agora a atriz decidiu revelar a ação para o público visando fazer uma campanha contra a violência.

Publicidade

A revelação das agressões foi contada com exclusividade ao jornal 'O Globo'. Segundo Luiza Brunet, seu companheiro de cinco anos não gostou de ser confundido com o ex-marido dela e a violentou barbaramente. Ele teria dado socos e chutes na famosa, que saiu escondida do local, voltando para o Brasil. #Investigação Criminal