O 'Fantástico', da TV Globo, confirmou neste domingo, 17, a #Morte de uma brasileira em um ataque terrorista ocorrido nessa semana em Nice, na França. Ela seria uma das mais de 80 pessoas que morreram atropeladas por um caminhão. O governo francês evita falar em atentado terrorista, mas o Estado Islâmico reivindica a ação. Desde janeiro de 2015, o país foi atingido por pelo menos dez ataques diferentes do tipo. A brasileira que morreu no atentado em Nice é Elizabeth Cristina de Assis Ribeiro. Ela era casada com um suíço. Uma das filhas do casal também morreu. O 'Fantástico' informou que a descoberta da morte  foi através de um exame de DNA e que a família da carioca não sabia onde estava o corpo dela até a exibição da informação na TV. 

Pelo menos outros dois brasileiros também foram atropelados.

Publicidade
Publicidade

No entanto, nenhum deles estaria em estado grave. O número de mortos pelo atropelamento em Nice ainda pode aumentar, já que muitas pessoas estão em estado grave. Antes mesmo da morte da brasileira ser confirmada, o presidente em exercício Michel Temer, do PMDB, divulgou uma nota surpreendente. Ele mandou o Ministério de Relações Exteriores, sob a chefia de José Serra, do PSDB, dar total assistência aos brasileiros que foram alvos do atentado. 

A nota divulgada pelo jornal 'O Estado de São Paulo' diz que o governo federal colocará à disposição tudo o que for necessário, desde para a busca de informações, até eventuais demandas neste momento. Quando a nota foi divulgada, as autoridades brasileiras ainda aguardavam informações das autoridades francesas. Diplomatas estão à disposição da família da carioca.

Publicidade

Ainda não se sabe se haverá o translado do corpo de Elizabeth para o Brasil ou se ela será enterrada na Suíça, onde vivia com o marido e as filhas. Uma delas, Kayla, de apenas seis anos, foi uma das mortas no atentado. 

A atitude rápida, forte e bem colocada de Michel Temer foi bem colocada. No entanto, ainda há dificuldade nas informações sobre os próximos procedimentos com os corpos com o governo francês.  #Terrorismo