Um caça da Marinha do Brasil teria colidido com outro caça. Essa foi a primeira informação divulgada pela grande imprensa nesta terça-feira, 26. Mais tarde, ela acabou sendo corrigida de forma misteriosa. O caça, na verdade, teria colidido com uma aeronave, mas essa ainda não foi identifica. O acidente ocorreu na Região dos Lagos, em Saquarema, no Rio de Janeiro. A colisão ocorreu na tarde desta terça, quando os pilotos faziam um treinamento militar para a Olimpíada. No momento da colisão,  o caça estava a cerca de 44 quilômetros da praia. O piloto que estava em uma das aeronaves, segundo o Corpo de Bombeiros, apesar de bater, conseguiu pousar com segurança.

Publicidade
Publicidade

O segundo piloto, que pilotava o caça, não teve o mesmo êxito. O caça teria explodido ao cair. Antes da explosão, no entanto, o piloto teria se ejetado. Ele está desaparecido e a Marinha faz buscas para encontrá-lo. A principal hipótese é que o militar, que não teve nome e identidade identificadas, esteve à deriva no mar de Saquarema. De acordo com a Marinha, o piloto não morreu ao cair na queda. Ele ainda estava vivo quando caiu. No entanto, como dissemos, ele não foi encontrado, o que preocupada sua equipe. 

Além de helicópteros, a Marinha faz as buscas com navios e outras embarcações para encontrar o que seria seu soldado. Todo esse aparato militar está concentrado na praia de Jaconé, na mesma região. A outra aeronave que colidiu com o caça também seria da Marinha.

Publicidade

De acordo com informações do jornal carioca Extra, ela voltou com segurança para a Base Aérea Naval de São Pedro da Aldeia, local de onde partiu para realizar o treinamento que acabou em acidente. 

Em nota, a Marinha do Brasil diz que informa com pesar que houve o acidente. O modelo do caça que explodiu, de acordo com a entidade, é um AF-1B. O acidente obrigou o piloto a ejetar para salvar sua própria vida. As circunstância do acidente, de acordo com a Marinha, estão sendo apuradas. Os dois aviões seriam do modelo Skyhawk e foram adquiridos há quase 20 anos, em 1998.  #Crime #Investigação Criminal