Nesta segunda-feira, 04, a Força-Tarefa da Lava Jato, acabou realizando um anúncio que gerou muitas críticas nas redes sociais. Três delegados foram afastados da apuração comandada pelo juiz federal Sérgio Moro. De acordo com a Polícia Federal, não houve qualquer pressão para a troca, mas quem acompanha o caso pela internet achou a decisão, no mínimo, estranha. Já os policiais dizem que a #Lava Jato, que tem mais de dois anos em curso precisa de um novo fôlego. Por isso, a troca de legados na investigação também é uma etapa importante. O anúncio foi feito logo depois dos agentes começarem a 31ª etapa da Operação, que culminou com a prisão de um ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT).

Publicidade
Publicidade

Um dos afastados foi o delegado Luciano Flores. De acordo com uma reportagem da 'Folha de São Paulo', Luciano ficou conhecido por conduzir o polêmico depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O petista foi levado de forma coercitiva pelos agentes da PF em março e só o fato dele ter sido chamado para falar na Lava Jato fez a mídia fazer uma ampla investigação sobre o caso. Luciano estava desde o início da operação junto com a Polícia Federal. Segundo a instituição, o profissional da segurança agora se juntará à equipe que cuidará dos jogos olímpicos do Rio de Janeiro, que já começam no mês vem.

Os outros dois desligados da investigação são Eduardo Mauat e Duílio Mocelin Cardoso. Os dois voltarão a trabalhar em seus respectivos estados, deixando portanto a chamada "República de Curitiba", no Paraná.

Publicidade

A PF diz que a mudança é estratégia e que os boatos de desmanches não são verdade. No lugar dos três investigadores, novos integrarão o grupo. "Chega de impunidade", disse um internauta ao criticar a mudança na internet. Quem também pode ter sua força alterada na Lava Jato, segundo informações de bastidores, seria Sérgio Moro. Ele pode ser indicado pelo presidente em exercício Michel Temer, do PMDB, para virar um dos Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), entrando no lugar de Celso de Mello.  #Investigação Criminal