Uma denúncia de estupro coletivo está sendo investigado pela Polícia Civil de Araraquara (SP). A vítima, que fez a denúncia, tem 19 anos e contou que foi abordada por cinco homens na noite de sábado, 23.

A moça estava em um ponto de ônibus quando os cinco homens, que estava em um Honda Civic de cor prata, passaram. De acordo com os relatos, ele a teriam colocado a força dentro do carro e ido em direção a um canavial. A jovem teria sido estuprada por três dos cinco ocupantes do veículo.

Durante a violência sexual, os criminosos teriam usado um pedaço de cana de açúcar para violentá-la. Eles fugiram depois do estupro e abandonaram a jovem no canavial.

Publicidade
Publicidade

Ela ligou para uma amiga, por volta das 23h30, que foi até o local socorrê-la.

A chegar ao local, a moça levou a vítima até a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Central, onde ela recebeu os primeiros atendimentos e foi transferida para o hospital e maternidade Gota de Leite. A jovem permanece internada.

A Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) investiga o caso e tenta descobrir quem são os ocupantes do veículo.

De acordo com o site Exame, a vítima não pôde ser ouvida. Segundo ele, o delegado Arnaldo D'Avóglio Filho contou que ela estava sedada. Toda a história foi contada pela amiga que socorreu a jovem.

A vítima deve conseguir falar com a polícia ainda nesta segunda-feira (25). Os investigadores estão buscando câmeras e filmagens do trajeto para tentar identificar o carro e os ocupantes dele.

Publicidade

Até o momento ninguém foi preso e nenhum nome dos praticantes do #Crime foi divulgado.

Só no Estado de São Paulo já foram registrados 3.925 casos estupros no ano de 2016, de acordo com os dados da Secretaria da Segurança Pública. Só na cidade de Araraquara, onde a moça foi vítima de estupro coletivo, já foram 13 casos.

Estupro coletivo

Este ano, vários casos de estupro coletivo já foram denunciados no país. Um dos que chocou e ganhou uma grande repercussão foi o de uma adolescente, que foi abusada por vários homens, em uma comunidade do Rio de Janeiro. Ameaçada de morte após ter feito a denúncia, ela precisou sair do estado com a família e mudar de nome.   #Investigação Criminal #Casos de polícia