Na última quinta-feira (28), a pastora Bianca Toledo, que acusou o ex-marido Felipe Heiderich, de 35 anos, de abusar de uma criança de 5 anos de idade, voltou a se pronunciar. O pastor é acusado de abusar do enteado e chegou a ser preso. Ele nega.

Em um longo vídeo, Bianca contou tudo o que aconteceu e a ordem cronológica dos fatos. Ela diz que é um caso muito delicado, que não tem nada a esconder e que chegou a ficar abalada psicologicamente com tudo que ocorreu envolvendo a criança.

A pastora conta que quando a criança contou sobre o suposto abuso, o menino disse que o pai era engraçado e que falava: “Delícia, delícia”.

Publicidade
Publicidade

Ela então teria perguntado para o filho quando Felipe Heiderich falava isso e o menino teria dito que se ele contasse, o padrasto falaria que era mentira.

Depois da primeira conversa, ela decidiu procurar uma psicóloga e levar a criança, para saber o que realmente estava acontecendo. Foi então que o garotinho contou mais detalhes e, segundo ela, revelou os abusos cometidos pelo pastor.

A pastora Bianca Toledo disse que Felipe foi o homem que ela mais amou, em toda a sua vida. Que em um primeiro encontro, ele disse tudo o que ela queria ouvir, mas depois que ela descobriu tudo, chora e enxerga as palavras dele de outra maneira.

Depois que tudo foi descoberto e que o pastor chegou a ser preso, o menino está se reaproximando do pai biológico, contou.

Pastor Felipe Heiderich foi preso

Depois de ser denunciado por Bianca Toledo, Felipe Heiderich ficou preso por cinco dias.

Publicidade

A Justiça concedeu a liberdade, desde que ele usa-se a tornozeleira eletrônica. Porém, como o Estado não tinha a tornozeleira, o homem foi liberado sem ela e está solto.

A polícia ouviu a mãe e três babás que trabalharam com a família. O que elas contaram, junto com laudos psiquiátricos e psicológicos foram usados para que o inquérito pudesse indicar indícios de abuso sexual.

Não foram encontradas provas no computador nem no celular de Felipe. Por isso, não é possível indicar se há mais vítimas. #Religião #Casos de polícia