Nesta sexta-feira, 01, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu proibir os mecanismos de doações eleitorais através do chamado "chowdfunding", que são mecanismos que permitem que eleitores façam "vaquinhas" pela internet. A modalidade está sendo usada pela presidente afastada Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT). Ela conseguiu mais de R$ 500 mil para realizar viagens de avião por todo o Brasil com o objetivo de dizer que o processo de impeachment é um "golpe de estado". A decisão do Tribunal Superior Eleitoral já vale para a campanha municipal deste ano. Agora, quem quiser a doação, terá que fazer isso apenas através dos sites oficiais de suas legendas.

Publicidade
Publicidade

Candidatos também podem fazer isso por meio das páginas oficiais. 

Em entrevista ao jornal 'O Globo' publicada neste sábado, 02, a deputado do Partido Comunista do Brasil, Jandira Feghali, criticou a decisão do TSE. Ela argumentou que isso tende a deixar as coisas ainda mais difíceis para grupos de esquerda, que segundo a parlamentar, teriam mais forças que os de direita na internet. "No nosso caso, a capacidade de arrecadação na internet é muito maior do que a da direita, vai nos prejudicar muito. É prejudicial para quem trabalha com plataforma digital", respondeu ela. 

De acordo com a hoje deputada, que é uma das pré-candidatas à prefeitura do Rio de Janeiro, que nos sites crowndfunding, quem doa é identificado, ou seja, não existiriam problemas para que a justiça eleitoral não só fiscalizasse, como também apurasse os montantes desviados.

Publicidade

Por conta de inúmeros esquemas de corrupção no Brasil, essas Eleições também não terão mais doações de pessoas jurídicas. Ou seja, empresas, como empreiteiras, que costumam receber benefícios de governos, não poderão mais doar para os políticos.

Isso não impede, no entanto, que as pessoas físicas continuem a fazer as doações e que empresários das mesmas empresas façam as doações. Mesmo assim, o assunto é unânime na política. A campanha desse ano deve ser bem mais modesta que a de anos anteriores.  #PT #Crime