Nesta terça-feira, 05, o deputado federal Onyx Lorenzoni, eleito pelo Democratas do Rio Grande do Sul, emocionou muitas pessoas ao fazer um discursos na Câmara dos deputados, local que no dia 17 de abril o impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff teve o seu prosseguimento aprovado. Durante o seu pronunciamento, ele pregou o fato de muitas vezes criminosos serem colocados como vítimas da sociedade. A ideia é difundida pelos Direitos Humanos e por grupos de esquerda, que dizem que a falta de oportunidades ajuda a explicar porque uma região ou outra é mais pobre. 

Onyx Lorenzoni pediu o fim da cultura do #Crime e lembrou que muitas famílias brasileiras são destruídas diariamente por bandidos.

Publicidade
Publicidade

De acordo com o parlamentar, isso acaba contribuindo também para que muitos profissionais de segurança sejam mortos diariamente. Ele aproveitou para fazer uma homenagem a um desses policiais. Na segunda-feira, 04, o soldado Luiz Carlos Gomes da Silva, de apenas 29 anos, levou um tiro na cabeça ao abordar um automóvel suspeito em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.

O deputado enfatiza o trabalho exemplar do soldado, que não teria revidado às balas por estar próximo à uma creche e fez um pedido, acabar com a discussão de que os criminosos são as vítimas. O fim da discussão é criticada pelos movimentos de esquerda, que alegam que os pobres seriam mais marginalizados e que se correria o risco de culpar ou matar inocentes. 

"De novo o Deputado Onyx Lorenzoni acertando na mosca. Chega com essa palhaçada no nosso país! Lugar de bandido é na cadeia.

Publicidade

O curioso é que quando roubam o iPhone desse pessoal, eles ligam direto pra polícia. Se ela é tão ruim assim, porque esses bocós não ligam pro Batman, então?!", questionou um internauta que compartilhou o vídeo com o manifesto do deputado federal que falou sobre algo polêmico. 

Veja abaixo o vídeo em que o Senador argumenta que ser bandido é uma escolha individual do ser humano, citando que existem milhões de brasileiros pobres, mas que seguem as leis:

#Governo #Investigação Criminal