A presidente afastada Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT), nega veementemente que vá renunciar ao cargo, mas essa hipótese estaria sendo discutida com seus assessores. De acordo com fontes do staff da petista, ela mesma não quer renunciar, mas está sendo incentiva a isso para evitar que a sua história seja manchada. O motivo é claro, ela já sabe que vai ser deposta no final de agosto pelo Senado Federal. O problema é que a "cassação" de mandato promete ser histórica, levando a uma "goleada" do impeachment. Atualmente, segundo informações do site 'Diário do Poder' em matéria publicada nesta segunda-feira, 25, faltando um mês para a votação, 65 dos 81 Senadores já confirmou que votará contra Dilma, 11 votos a mais do que o necessário. 

Esse número pode ser ainda maior, chegando a 70.

Publicidade
Publicidade

Caso isso ocorra, Dilma viverá o seu 7 a 1 proporcional particular, lembrando a histórica derrota da seleção brasileira para a da Alemanha. É bom lembrar que no dia 12 de maio a presidente afastada meio que já teve o seu destino traçado. Naquela ocasião, alguns Senadores faltaram, mas mesmo assim ela teve 55 votos para ser afastada. Comenta-se que aquela votação prometia ser mais apertada pelo medo da troca de presidentes. No entanto, o presidente em exercício Michel Temer, do PMDB, tem sido considerado razoável ao ficar à frente do governo federal. 

Os Senadores entenderam que o Brasil é melhor sem Dilma. Temer já tem feito acertos importantes, o maior deles é justamente unir o executivo com o legislativo e judiciário. A petista não tinha como característica unir pessoas, pelo contrário.

Publicidade

Até mesmo pessoas de sua legenda reclamam do fato de poucas vezes terem conseguido qualquer contato com ela na época em que estava no Palácio do Planalto, em Brasília. 

“Temos contabilizados 65 votos, mas podemos chegar a 70”, confirmou ao Diário do Poder o primeiro-secretário da Câmara, deputado Beto Mansur, eleito pelo PRB do estado de São Paulo. Mas diga aí, você acredita que Dilma será capaz de renunciar? Comente!  #PT #Dilma Rousseff