O deputado federal Eduardo Cunha, eleito pelo PMDB do Rio de Janeiro, já viveu dias melhores. De acordo com o jornal 'O Estado de São Paulo' em reportagem publicada neste domingo, 03, o peemedebista tem despachado com apenas dois advogados pagos por ele. Os aliados um dia fiéis sumiram. Cunha, segundo o jornal, estaria com medo de alguém da sua família ir parar na cadeia. A mulher dele está na mira da Lava Jato. A jornalista Claudia Cruz, conhecida por sair quase sempre com olhares "vidrados" nas fotos, bem que tentou no Supremo Tribunal Federal (STF) sair das mãos do juiz federal Sérgio Moro, mas não conseguiu.

O jornal vai além e diz que Cunha estaria desestabilizado, tendo, inclusive, chorado nos últimos dias pelo desespero da filha e da mulher.

Publicidade
Publicidade

Uma fonte do 'Estadão' diz que os advogados de Eduardo tem trabalhado muito mais nos últimos dias e é o parlamentar quem coordena tudo. Alguns políticos ainda aparecem na casa do político, que é destinada ao presidente da Câmara, em Brasília (ele não saiu de lá, apesar do afastamento do cargo dado pelo STF). Outros apenas fazem uma ligação rápida, mas tudo com muito cuidado, especialmente agora que Cunha pediu a própria quebra de sigilo, em uma tentativa de dizer que não participa de nenhum esquema de corrupção. 

Outras fontes dizem que o político está muito abatido e desanimado. Além de perder o mandato, que está mais claro do que nunca, afinal, a proposta foi aprovada pelo Conselho de ética da Câmara dos deputados, ele ainda pode ir parar na cadeia. Um destino improvável há poucos meses, quando Cunha parecia um verdadeiro "poderoso chefão" da Câmara.

Publicidade

Sob sua batuta, o processo contra a presidente afastada Dilma Rousseff foi aberto. Até os parlamentares contrários ao jeito do deputado trabalhar confessam: ele organizava a casa e fazia todos trabalharem. 

O que mais tem deixado Cunha preocupado é a filha, Danielle Dyes, e a esposa, que trabalhou anos como apresentadora de noticiosos da Globo. Em um dos últimos dias, segundo a reportagem do Estadão, Cunha teria ficado muito nervoso e chorou na frente dos aliados. Ele estava ao telefone e pedia para que Cláudia ficasse calma.  #Crime #Eduardo Cunha