O ex-presidente da Câmara dos deputados, Eduardo Cunha (PMDB - Rio de Janeiro), após renunciar à função recentemente e tentar manter o mandato, teria feito ameaças até mesmo ao presidente exercício Michel Temer, curiosamente da mesma legenda que ele. A informação que já tinha saído extraoficialmente em alguns blogs políticos também ganhou força neste sábado, 23, a partir da coluna Radar, da Revista Veja. Cunha poderia ter provas ou uma maneira capaz de não só acabar com a presidente afastada Dilma Rousseff, como também como o cada vez mais provável sucessor, Michel Temer. Após uma reunião com o polêmico parlamentar, um interlocutor ficou apavorado de medo. 

Cunha não mediu palavras e bem ao seu estilo, misturando ameaças e megalomania, começou a falar o que pode prejudicar supostamente a governabilidade de Michel Temer.

Publicidade
Publicidade

A carda na manga do ex-presidente da Câmara ninguém sabe, mas ele avisou que jamais seria esquecido pela história brasileira. Questionado sobre o porquê, o político foi breve, mas fatal: “Ficarei conhecido por derrubar dois presidentes do Brasil”. É bom lembrar que Eduardo tenta apoio de Temer e de toda a base do #PMDB para tentar pelo menos manter o mandato de deputado federal e também, é claro, o foro privilegiado. Enquanto for político eleito, Cunha só é julgado e investigado através de decisões da mais alta corte do país, o Supremo Tribunal Federal (STF). Do contrário, ele poderia até mesmo cair nas mãos do juiz federal Sérgio Moro, famoso nacionalmente por comandar a Lava Jato.

É bom lembrar que o político é um daqueles que sabe muito sobre todos. A própria presidente Dilma sabendo disso teria tentado negociar uma salvação, mas o peemedebista foi "vingativo" e acabou aceitando abrir o processo de impeachment contra a representante do Partido dos Trabalhadores (PT).

Publicidade

De acordo com a companheira de Lula, Eduardo estaria aliado a Michel na tentativa do que ela chama de "golpe parlamentar". É bom lembrar que a maioria dos deputados e Senadores brasileiros já votou pelo seu afastamento.  #Eduardo Cunha