Policiais e bombeiros da Força Nacional estão inconformados com a forma que estão sendo tratados às vésperas das Olimpíadas Rio 2016. Quatro mil homens estão instalados em alojamentos na Zona Oeste da capital carioca e reclamam da jornada exaustiva de trabalho, do atraso nos pagamentos e péssimas condições do apartamento que estão hospedados.

Na última terça-feira (13), policiais e bombeiros ameaçaram voltar para seus Estados e abandonar a segurança dos Jogos Olímpicos. Em um protesto, pediram melhores condições de trabalho para evitar uma dispensa coletiva.

O cabo Elisandro Lotim, presidente da Associação Nacional dos Praças (Anaspra), avaliou que desde o dia 22 de junho os profissionais não estão recebendo salário e mantêm um jornada desgastante de trabalho. 

Os apartamentos que os agentes estão localizados são do programa de #Governo Minha Casa, Minha Vida, e ficam em Jacarepaguá, Zona Oeste da capital do Rio de Janeiro.

Publicidade
Publicidade

Os prédios foram inaugurados para alojar os agentes que reclamam de infiltrações de água, mofo, falta de mobília, e além de tudo, muitos dormem no chão. Não é a primeira vez que eles reclamam, e por isso, Botim afirma que "essa condição é inadmissível”

Promessas

O Governo Federal havia prometido pagar o dobro do valor das diárias, que chegaria a R$ 220,00, mas segundo o cabo Botim, não pagaram absolutamente nenhum valor. Esse seria outro motivo para os agentes criticarem o governo.  

A jornada de trabalho é marcada por um período exaustivo diário de 20 horas e folgas de 16. Segundo o secretário nacional de segurança pública, Celso Perioli, as reivindicações serão respondidas após um reunião com representantes de cada categoria, o que acontecerá ainda nesta semana.

O cabo Botim afirmou que “os valores atrasados começarão a ser pagos e, com relação ao alojamento, fui informado de que o governo entrará em contato com a empresa responsável para que as medidas cabíveis sejam tomadas”. 

O Ministério da Justiça disse que além dos quatro mil homens, há mais quatro mil e quinhentos policiais inativos que também estão inscritos, e a segurança das Olimpíadas continua garantida.  #Rio2016 #Dentro da política