Nesta terça-feira, 12, o relatório sobre o Projeto de Lei de número 280, muito polêmico pois beneficiaria políticos corruptos, ganhou bastante espaço na internet. Proposto pelo Senador Romero Jucá, do PMDB, a lei, caso aprovada, pode prender quem divulga as operações da Polícia Federal. O texto deixa claro que os maiores prejudicados seriam jornalistas, mas até cidadãos comuns poderiam ser atacados com essa legislação de gosto duvidoso, uma vez que hoje a internet é uma ótima forma de criticar políticos. Mais estranho ainda, Romero Jucá, que foi eliminado do cargo de Ministro do Planejamento pelo presidente em exercício após um escândalo, o das gravações com o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, quer com que a Lei seja aprovada em toque de caixa, repique e tamborim.

Publicidade
Publicidade

Tudo o mais rápido possível.

Um dos parágrafos da lei fala que quem ofende a vida privada de uma pessoa investigada precisa pagar. A lei vai além, dizendo que até mesmo quando indiciado, um político não poderia ser vítima de qualquer tipo de constrangimento. O texto atribuído ao peemedebista fala até em casos de "flagrante delito", ou seja, quando não há mais qualquer dúvida de que o preso é realmente um criminoso. A lei deixa subentendido que divulgar tais crimes em meios de comunicação social, sejam eles quais forem, seriam objeto de constrangimento. Imagens de contraventores presos e rindo nem pensar, tampouco da atuação do japonês da federal ou dos presos durante a Lava-Jato, investigação conduzida pelo juiz federal Sérgio Moro.

Tem gente comentando por aí que o texto para o projeto de lei foi escrito pelos advogados de políticos, que vivem tendo problemas com a imprensa.

Publicidade

Um dos que mais pede direito de resposta é o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Alvo de diversas denúncias e suposições, o ex-presidente já chegou a ser alvo de um puxão de orelha do 'Jornal Nacional', após seus advogados alegarem que o petista não foi procurado. O veículo de comunicação então mostrou diversas provas que mostram que ele realmente foi.  #Governo #Crime