Na tarde deste sábado, 16, uma escola municipal do Rio Grande do Sul realizou uma polêmica encenação. Dois casais do mesmo sexo se casaram de mentirinha em uma celebração se caipira. A ideia, de acordo com informações de professores da escola, teria partido dos alunos do nono ano, a antiga oitava série. Eles teriam dito aos professores que o objetivo era discutir a homoafetividade, além da diversidade na instituição. Com isso, os próprios alunos, duas meninas e dois meninos decidiram se "casar". A iniciativa rapidamente correu a escola e muitos pais ficaram sabendo. Alguns deles decidiram boicotar a celebração. 

Uma das meninas, que se casaria na celebração caipira, foi uma das que foi proibida de ir até à escola participar da encenação.

Publicidade
Publicidade

Em entrevista ao G1 publicada neste domingo, 17, a Coordenadora da entidade, Martha Najar, contou que uma menina questionou se o casamento gay poderia ser encenado na festa e que ela deu a autorização. "Fico muito orgulhosa", disse ela mencionando o fato da iniciativa ter partido dos próprios estudantes. 

Pelo menos duas alunas da série que organizou o evento não puderam se fantasiar e curtir a festa "julina". A noiva de um dos casamentos homossexuais acabou sendo impedida de subir ao altar e foi trocada por uma professora da mesma instituição. 

“Outros pais, de crianças mais novas, das séries iniciais, nos procuraram para dizer que não levariam os filhos na festa", disse a Coordenadora, que informou que respeita a opinião de todos, mas que a encenação continuaria mantida na escola. Apesar de toda polêmica, a interpretação acabou acontecendo e a festa fluiu novamente.

Publicidade

No entanto, nas redes sociais, muitas pessoas criticaram a escola, enquanto outras disseram que esse também era o papel de educar. "Muito bem, as crianças precisam aprender a lidar com as diferenças desde cedo, tendo ideia também de que existem muitas formas de amor", disse um internauta, que rapidamente foi interpelado por outro. "Se fosse com meu filho, eu não ia deixar. Acho que passou do limite", concluiu.  #LGBT